XV DE PIRACICABA: o querido Nho Quim

                  Fundado em 15 de novembro de 1913, é um clube de muita tradição no futebol paulista. Além disso, conquistou cinco títulos no Campeonato Paulista da Série A-2 e um título no Campeonato Brasileiro da Série C. Atualmente disputa a elite do futebol paulista, onde foi vice campeão em 1976, quando perdeu para o Palmeiras por 1 a 0 jogando no Parque Antarctica. Seu estádio é o Barão de Serra Negra, que antigamente era chamado de estádio Roberto Gomes Pedrosa, com capacidade para 18.000 pessoas e nele já desfilaram grandes nomes do nosso futebol. Sua inauguração aconteceu em 1965 num jogo contra o Palmeiras, no entanto, o primeiro gol foi marcado por um corintiano uma semana depois.

HISTÓRIA

               A cidade de Piracicaba era conhecida nos anos 1910 como Pérola Paulista, devido ao nível intelectual avançado de sua população. Nesta época, duas tradicionais famílias piracicabanas, Pousa e Guerrini, comandavam o futebol amador no município. A família Pousa gerenciava o Esporte Clube Vergueirense, enquanto os Guerrini tomavam conta do 12 de Outubro. Em outubro de 1913, as duas famílias se reuniram e resolveram montar uma única equipe que representasse a cidade. Convidaram então Carlos Wingeter, cirurgião dentista e capitão da Guarda Nacional, para ser o presidente do clube que estava se formando com a fusão das duas famílias. Wingeter aceitou o convite prontamente, mas com apenas uma exigência: o nome do novo time teria que ser XV de Novembro, em homenagem à data marcada pela Proclamação da República. Este foi o pontapé inicial para o surgimento do Esporte Clube XV de Novembro de Piracicaba, equipe rapidamente acolhida pela população piracicabana.

               Em seus primeiros anos de existência, o clube permaneceu como amador, conquistando títulos como o de campeão do interior, organizado pela Associação Paulista de Esportes Atléticos. Passada mais de uma década, em 1948 o XV de Piracicaba alcançou seu primeiro título como profissional, sagrando-se campeão da Segunda Divisão do Campeonato Paulista, que corresponde à atual Série A-2, ganhando o direito de, no ano seguinte, disputar o título contra as equipes da elite do futebol paulista.

               Em 1952 e 1958, o XV de Piracicaba conseguiu ótimos resultados na Primeira Divisão, atual Série A-1, ficando na quinta colocação, atrás apenas de São Paulo, Palmeiras, Corinthians e Santos. No entanto, em 1965, o clube foi rebaixado para a Segunda Divisão Estadual. No ano seguinte, a equipe foi vice-campeã da competição, que venceu em 1967, conquistando novamente o acesso. Quase dez anos se passaram até que, em 1976, o clube alcançou sua maior conquista no futebol estadual, chegando ao Vice-Campeonato Paulista, perdendo para o Palmeiras na grande final. O resultado levou o clube a  participar do Campeonato Brasileiro em 1977, chegando à fase final da competição.

               Depois de permanecer na elite por mais três anos, a equipe foi novamente rebaixada à  Segunda Divisão, que disputou até 1983, quando conquistou o título mais uma vez, voltando à Primeira Divisão. No ano de 1990, a boa campanha no Campeonato Paulista classificou a equipe para a Copa do Brasil do ano seguinte, da qual foi eliminado pelo Caxias (RS) ainda na fase inicial. Cinco anos depois, em 1995, o clube teve seu maior êxito no futebol nacional, sagrando-se Campeão Brasileiro da Série C.

               Com as reformulações nos nomes do Campeonato Paulista e as  campanhas ruins consecutivas desde o final da década de 1990, o clube caiu da Série A-2 para a Série A-3, tendo chegado muito perto de retornar ao Campeonato Paulista da Série A-2 em 2007, quando disputou a segunda fase da competição. Em 2008, o clube não avançou à segunda fase, não tendo chances de disputar o acesso. Em 2009, classificou-se mais uma vez à fase semifinal da Série A-3, mas não conquistou o tão sonhado acesso à Série A-2. Em 2010 o acesso para a Série A-2 do Campeonato Paulista finalmente chegou. Após terminar a primeira fase da competição na 7ª colocação, o XV de Piracicaba terminou a segunda fase como o segundo melhor time de seu grupo, ficando atrás apenas da vice-campeã Ferroviária.

               No entanto em 2011, o XV de Piracicaba retornou aos seus tempos de glórias, fez uma excelente campanha na Série A-2 do estadual e terminou a primeira fase como segundo colocado. Na fase seguinte, foi o primeiro colocado de seu grupo e se qualificou para disputar a final do campeonato. Na decisão, a equipe venceu o Guarani nos pênaltis e se sagrou campeã do estadual. Dessa forma, assegurou mais um acesso e a volta à elite paulista após 16 anos de ausência. Contudo, a equipe de Piracicaba passou por apuros no Paulistão Chevrolet 2012. A inconsistência e um elenco reduzido acabaram por atrapalhar o XV de Piracicaba, mas nas rodadas finais a base da superação a equipe quinzista conseguiu se manter na elite do estadual, terminando o campeonato na 16ª colocação, muito pior do que aconteceu em 2013, quando o time chegou a sonhar com uma vaga entre os oito ou na Série D do Brasileiro. Assim, a permanência na elite chegou em grande estilo, com um décimo lugar.

ESTÁDIO BARÃO DE SERRA NEGRA

                O Estádio Barão de Serra Negra foi inaugurado no dia 4 de setembro de 1965. O Primeiro jogo foi XV de Piracicaba 0 x 0 Palmeiras, com um público de 15.674 torcedores. Porém, o primeiro gol no Barão aconteceria apenas na partida entre XV de Piracicaba x Corinthians, no dia 11 de setembro de 1965. Os donos da casa sofreram uma derrota pelo placar de 3 a 1, e o atacante Flávio foi o primeiro jogador a balançar as redes do estádio. Os demais gols foram marcados por Flávio novamente e Marcos para o Corinthians, enquanto que Pescuma marcou para o XV. Neste dia o XV jogou com; Silvio, Virgílio, Pescuma, Bastos e Dorival; Chiquinho e Emilio; Nondas, Benê, Picolé e Sabino. A primeira vitória do XV de Piracicaba em seu novo estádio aconteceria contra o Comercial de Ribeirão Preto pelo placar de 3 a 1, no Campeonato Paulista de 1965, jogo realizado no dia 26 de setembro. Em 2007, o gramado do estádio foi reformulado com uma parceria do Esporte Clube XV de Piracicaba, a Prefeitura de Piracicaba e a empresa World Sports. Nessa reforma, o sistema de drenagem foi reformulado e o sistema de irrigação, automatizado.

ÍDOLOS QUE JOGARAM NO XV

               Durante estes 100 anos de fundação, inúmeros jogadores já tiveram a honra de vestir a gloriosa camisa do XV de Piracicaba, sendo assim, vamos lembrar de alguns. O primeiro não poderia deixar de ser o grande lateral direito De Sordi, jogou no XV e depois fez muito sucesso no São Paulo F.C. e mais tarde chegou a Seleção Brasileira, pela qual disputou a Copa do Mundo de 1958, jogando todas as partidas, ficando somente de fora da partida decisiva devido a uma contusão, entrando em seu lugar Djalma Santos. Para De Sordi, foi uma glória chegar a seleção brasileira e ser campeão mundial. Nada mau para quem começou jogando de zagueiro central no Palmeirinha e Bairro Alto, em Piracicaba e depois no time de Bate Pau, hoje Iracemápolis. Em 1949 foi  defender as cores do XV de Piracicaba, sua terra natal, onde chamou a atenção de clubes da capital, principalmente do Tricolor Paulista. Outros jogadores que passaram pelo XV e fizeram muito sucesso nas grandes equipes da capital foram; Chicão, Benê, Piau, Sabino e Doriva pelo São Paulo, Geraldo Scotto pelo Palmeiras e Joaquinzinho e Gatão pelo Corinthians. Grandes treinadores também trabalharam no clube, como por exemplo, Rubens Minelli, Vadão e Armando Renganeski.

CONQUISTAS

               O XV de Piracicaba chegou a sagrar-se campeão regional em 1922. Na década de 30, disputou o tradicional Campeonato do Interior, do qual sagrou-se campeão, em 1931. Sagrou-se campeão da Divisão de Acesso por cinco vezes, ou seja, em 1947, ainda sem acesso à Primeira Divisão, 1948, quando conseguiu seu primeiro acesso à Primeira Divisão, 1967, 1983 e 2011, depois de ficar 17 anos fora da Primeira Divisão do Futebol Paulista.  Em 1964, sob o comando de Romeu Italo Ripoli, o XV fez uma excursão pela Europa e pela Ásia. Naquela época, o Brasil já era bicampeão mundial e apenas Santos e Botafogo faziam esse tipo de viagem. Nessa época, o XV de Piracicaba jogou na Suécia, na Polônia, na Alemanha (Ocidental e Oriental, divisão política da época), na Dinamarca, e nas então repúblicas soviéticas da Rússia, Ucrânia, Moldávia, Cazaquistão e Uzbequistão.

Em 1976, a equipe de Piracicaba fez uma belíssima campanha no Paulistão, chegando a final contra o Palmeiras. Este jogo aconteceu dia 18 de agosto de 1976, no Parque Antarctica, que recebeu neste dia um público de 40.283 pagantes, recorde de público no velho Palestra Itália. O técnico da equipe alviverde era Dudu, que já havia encerrado sua carreira e passou a comandar a equipe. Neste dia o Palmeiras jogou com; Leão, Valdir, Samuel, Arouca e Ricardo; Pires e Ademir da Guia; Edu, Jorge Mendonça, Toninho e Nei.  Do outro lado o técnico Dema do XV mandou a campo os seguintes jogadores; Doná, Volmil, Fernando, Eloi e Almeida; Muri, Pitanga e Benê (Paulinho); Vagner, Nardela (Capitão) e João Paulo.  O jogo terminou com a vitória esmeraldina por 1 a 0, gol de Jorge Mendonça aos 39 minutos do primeiro tempo. Em 1979, o XV foi o 13º colocado do Campeonato Brasileiro de Futebol, a melhor colocação de sua história no torneio. Nesse mesmo campeonato, o XV goleou a grande equipe do Grêmio por 3×0. XV de Piracicaba, um clube que nasceu humilde, como seu povo, mas com o tempo, foi mostrando sua força, suas glórias e conquistas e com isto, formou uma verdadeira legião de torcedores apaixonados, que jamais o abandonou e o abandonará. Uma torcida que é formada por pessoas simples e humilde, que carregam em seus corações, a alegria de torcer pelo Nho Quim e de estar sempre ao seu lado, quer nos momentos de alegria como também nos momentos de tristeza, pois o amor que o torcedor quinzista tem pelo seu clube é maior que o mundo. 

José Carlos de Oliveira

 

Deixe uma resposta