DANIEL GONZALES: um uruguaio que venceu no futebol brasileiro

                Daniel Angel Gonzales Puga nasceu dia 22 de dezembro de 1954, na cidade de Montevidéu – Uruguai. Foi mais um dos jogadores uruguaios que fez sucesso no futebol brasileiro, em especial no Corinthians, onde se identificou pela sua garra uruguaia misturada com a garra corintiana. E foi isto que fez com que a Fiel torcida alvinegra se apaixonasse pelo seu futebol que ajudou o Corinthians a conquistar os títulos paulista de 1982 e 1983, numa época em que a Democracia Corintiana comandada por Sócrates, Casagrande, Wladimir e Zenon, estava em evidência. Jogou também na Portuguesa de Desportos e no Vasco da Gama.

                Era um zagueiro que jogava com raça, muita disposição e comprometimento nas partidas, tinha estilo e não era desleal, um verdadeiro representante da escola uruguaia de raça e com isso fez com que seu futebol agradasse à imensa torcida corintiana. Infelizmente veio a falecer ainda jovem, com apenas 31 anos de idade, depois de sofrer um acidente automobilístico, depois de perder o controle de seu Monza, quando voltava de uma festa na casa do centroavante Cláudio Adão.

INÍCIO DE CARREIRA

               Iniciou a sua carreira atuando pelo Nacional do Uruguai, onde jogava como meia. Com o passar do tempo foi sendo recuado, apesar de sempre ter mostrado categoria e faro de gol, mesmo na defesa. Antes de vir para o Brasil defender a Portuguesa, em 78, o jogador passou ainda pelo Cerro Porteño e o Fênix, todos do Uruguai.

PORTUGUESA DE DESPORTOS

               Seu primeiro clube aqui no Brasil foi a Portuguesa de Desportos. Chegou na Lusa do Canindé no final de 1978 e ano seguinte era o titular da zaga da Portuguesa, juntamente com Beto Lima, Bolivar, Camargo e Eloi, jogadores que fizeram muito sucesso na Internacional de Limeira, inclusive Bolivar foi campeão paulista em 1986 pelo Leão da Paulista. Neste ano o time da Lusa era formado por; Moacir, Marinho, Beto Lima, Bolivar e Nelsinho; Daniel Gonzales, Enéas e Dentinho; Tata, Wilson Carrasco e Elói. O técnico era Osvaldo Brandão. Este foi o time que perdeu para o Corinthians por 2 a 0 no dia 18 de março de 1979 pelo segundo turno do Campeonato Paulista de 1978.  Daniel Gonzales ficou na Portuguesa até 1982, quando foi contratado pelo Corinthians.

CORINTHIANS 

               Foi contratado pelo Corinthians para jogar no time da Democracia Corintiana, que tinha como principais jogadores, Sócrates, Wladimir, Zenon e Casagrande. Veio da Portuguesa para o Corinthians em troca do seu compatriota Taborda, que não teve uma passagem muito boa pelo Timão. Logo que chegou Daniel Gonzalez caiu nas graças da Fiel torcida e foi peça importante na conquista do Campeonato Paulista de 1982, formando dupla de zaga com Mauro. Sua estréia com a camisa do alvinegro de Parque São Jorge foi dia 28 de abril de 1982 e foi justamente contra seu ex-clube, a Portuguesa. O jogo foi válido pelo Torneio Nacional e foi realizado no Estádio Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu. A partida terminou empatada em 1 a 1. O gol corintiano foi anotado por Magu, enquanto que para a Lusa, o gol foi marcado por Caio. Neste dia o técnico do Corinthians, Mário Travaglini, mandou a campo os seguinte jogadores; Rafael, Zé Maria (Alfinete), Gomes, Daniel Gonzales e Wladimir; Caçapava, Biro Biro e Paulinho; Eduardo, Casagrande e Magu.

               E Daniel Gonzales chegou no Corinthians com o pé direito, pois em seu primeiro ano de clube, sagrou-se campeão paulista. Foi brilhante a conquista do Paulistão de 1982. Campeão do primeiro turno, com direito a uma goleada de 5 a 1 sobre o Palmeiras, o Corinthians fez a final contra o São Paulo, que buscava o tri. No primeiro jogo, vitória alvinegra por 1 a 0, com um belo gol de Sócrates. Depois, na segunda partida, realizada no Morumbi no dia 12 de dezembro, outra vez deu Corinthians: 3 a 1, com dois gols de Biro-Biro e um de Casagrande, que foi a revelação e artilheiro do campeonato, com 28 gols. Era o 18° título paulista da história do clube. Este foi o primeiro título conquistado durante a Democracia Corintiana.

               Disputado no Morumbi, o Timão não da chance para o São Paulo. Biro-Biro marcou o primeiro gol do jogo, aos 26 do segundo tempo.  Dario Pereira empatou para o time do Morumbi, 6 minutos depois.  Lero-Lero, quer dizer, Biro-Biro faz mais um e deixa o Timão mais perto do título. Para completar a festa, Casagrande marcou o gol que encerraria de vez as esperanças do São Paulo, aos 41 minutos. Festa da Democracia Corintiana! Neste dia o Corinthians jogou com; Solito, Alfinete (Zé Maria), Mauro, Daniel González e Wladimir; Paulinho, Sócrates e Zenon (Eduardo); Ataliba, Casagrande e Biro-Biro. Téc.: Mário Travaglini. O árbitro da partida foi José de Assis Aragão.

               Este campeonato teve a participação de 20 clubes. Foram realizados 382 jogos e marcados 751 gols. A Francana foi a última colocada, com isto, foi rebaixada automaticamente para a Segunda Divisão do Futebol Paulista. O seu lugar foi ocupado pelo campeão da 2ª divisão daquele ano, o Taquaritinga. Em penúltimo lugar ficou o XV de Jaú, que teve que disputar com o vice campeão da 2ª divisão, o Bragantino, a sua permanência. Como venceu a partida, o XV permaneceu na elite do futebol paulista no ano de 1983.  

               O bicampeonato paulista foi novamente em cima do Tricolor do Morumbi, mas antes o Corinthians teve que passar pelo arqui-rival Palmeiras na semi-final. O jogo foi 1 a 0 para o Timão, gol de Sócrates. Na primeira partida da final contra o São Paulo o Corinthians venceu por 1 a 0, gol de Sócrates. Na segunda partida o empate já bastava ao alvinegro e com o regulamento debaixo do braço, não deu outra, final 1 a 1, gol de Sócrates para o Timão e Marcão para o Tricolor. O artilheiro do campeonato foi Serginho Chulapa com 22 gols. Neste campeonato foram realizados 410 jogos e marcados 720 gols. A equipe rebaixada foi o São José, que foi substituído pelo XV de Piracicaba, campeão da Segunda Divisão do Futebol Paulista daquele ano.

               Com a chegada do zagueiro Juninho que veio da Ponte Preta, Daniel Gonzales começou a perder a posição de titular, sendo assim, pediu para ser vendido ao Vasco da Gama, que já vinha namorando seu futebol já algum tempo. Sendo assim, não ficou para a festa do bicampeonato de 1983. A última partida de Daniel Gonzales pelo Corinthians, aconteceu dia 31 de julho de 1983. Foi contra o Santos pelo Campeonato Paulista. O jogo foi no Morumbi e o jogo terminou empatado em 0 a 0. Neste dia o técnico corintiano Jorge Vieira mandou a campo os seguintes jogadores; Leão, Alfinete (Zé Maria), Mauro, Daniel Gonzales e Wladimir; Paulinho, Sócrates e Zenon; Ataliba, Casagrande e Biro Biro. O árbitro da partida foi Dulcídio Wanderley Boschilla e tivemos um público de 80.731 pagantes.

VASCO DA GAMA

               A estréia de Daniel Gonzales no clube Cruz de Malta, aconteceu dia 21 de agosto de 1983, quando o Vasco perdeu para o Fluminense por 3 a 1 pelo Campeonato Carioca. O jogo foi no Maracanã e o árbitro da partida foi Arnaldo Cézar Coelho. Neste dia o Vasco jogou com; Acácio, Galvão, Daniel Gonzales, Nenê, João Luís, Serginho, Geovani, Marquinho (Marcelo), Ernâni (Pedrinho Gaúcho), Roberto Dinamite e Paulo Egídio. O Técnico foi Carlos Alberto Zanata. Marcaram para o Fluminense; Washington (2) e Aldo. O único gol vascaíno foi anotado por Roberto Dinamite. Pelo Vasco, Daniel Gonzales disputou 67 partidas e marcou 3 gols, sendo que o primeiro foi no dia 25 de setembro de 1983, quando o Vasco empatou em 2 a 2 com o Bangu pelo Campeonato Carioca. O outro gol vascaíno foi de Roberto Dinamite. O jogo foi no Maracanã e o árbitro foi José Roberto Wright.

               No ano seguinte, chegou a final do Campeonato Brasileiro, mas perdeu para o Fluminense. Na primeira partida realizada no dia 24 de maio de 1984, o Fluminense venceu por 1 a 0, gol de Romerito. Na segunda partida que aconteceu dia 28 de maio, o jogo terminou empatado em 0 a 0. Com isto, o Fluminense foi o Campeão Brasileiro de 1984 e o Vasco de Daniel Gonzales ficou com o vice campeonato. Este jogo da grande final, foi no Maracanã, que recebeu um público de 128.781 pagantes. O árbitro da partida foi Romualdo Arppi Filho e o técnico do Vasco, Edu (irmão de Zico) mandou a campo os seguintes jogadores; Roberto Costa, Edevaldo, Ivan, Daniel González e Aírton; Pires, Arturzinho e Mário (Geovani); Mauricinho (Jussiê), Roberto Dinamite e Marquinho.

               Do outro lado, o técnico Carlos Alberto Parreira do Fluminense escalou o seguinte time; Paulo Víctor, Aldo, Duílio , Ricardo Gomes e Renato; Jandir, Delei (Renê) e Assis; Romerito, Washington (Wilsinho) e Tato. O Campeonato Brasileiro de 1984, teve 41 participantes, aconteceram 737 gols e o artilheiro foi Roberto Dinamite com 16 gols. Pela primeira vez, a final do Campeonato Brasileiro ocorreu entre dois clubes cariocas, refletindo o forte futebol do Rio de Janeiro durante boa parte da década de 1980.

TRISTEZA

               Depois de participar de uma festa na casa do ex-craque Cláudio Adão, no Rio de Janeiro, Daniel Gonzales perdeu o controle de seu carro Monza e neste acidente veio a falecer ao lado de sua esposa aos 31 anos de idade. Era o dia 1 de fevereiro de 1985. Em nome dos amantes do futebol, em especial da torcida corintiana, só nos resta dizer; Descanse em paz Daniel Gonzales.

Em pé: Solito, Sócrates, Ataliba, Casagrande, Zenon e Birô-Biro    –     Agachados: Mauro, Daniel Gonzalez, Alfinete, Paulinho e Wladimir
Em pé: Éverton, Cláudio, Daniel Gonzalez, Alves, Zé Mário e Fantick    –     Agachados: Moisés, Gérson Sodré, Beca, Wilson Carrasco e Pita
Em pé: Edevaldo, Roberto Costa, Donato, Ivan, Daniel González e Oliveira    –     Agachados: Mauricinho, Geovani, Roberto Dinamite, Marcelo e Marquinho Carioca
Postado em D

Deixe uma resposta