LANCE: atacante corintiano na década de 70

                     Ernesto Luis Lance nasceu dia 19 de janeiro de 1949, na cidade de Casa Branca – SP. Foi um meia direita que jogou na Ferroviária de Araraquara, no Corinthians, depois passou por diversos clubes e encerrou sua carreira jogando pelo Santo André em 1981. Formado em Educação Física, pela Escola de Educação Física de São Carlos, em Jornalismo na Casper Líbero e também formado em Pedagogia. Atualmente reside em Santo André, onde é dono de uma loja de joias. Quando criança seu apelido era Pio e assim ele foi chamado até sair de Casa Branca para jogar na Ferroviária. Lá chegando encontrou com outro jogador que também o chamavam de Pio.

                    Como ele estava chegando, é claro que o outro continuou como Pio, então passaram a chama-lo pelo sobrenome, Lance. Este outro Pio, era um ponta esquerda que anos depois foi jogar no Palmeiras e chegou a brilhar na equipe esmeraldina, assim como no Santa Cruz, do Recife. Sendo assim, para não ficar o ataque com Pio e Pio, o recém  chegado passou  a ser chamado de Lance, mesmo porque, era muita pena para um ataque só.

INÍCIO DE CARREIRA

                   Lance começou sua carreira jogando pelo São Carlos Clube, onde foi o artilheiro do Campeonato Paulista Série A-2 de 1969, com 13 gols. Depois dessa bela campanha e conquistando a artilharia da competição, vários clubes passaram a se interessar por ele. Com isto teve que deixar São Carlos e foi para Araraquara.

FERROVIÁRIA

                  Chegou na Ferroviária em 1970 e nessa época a Ferrinha tinha um bom time, aliás, a Ferroviária nos anos 60 e 70 sempre teve bons times, tanto é que inúmeros jogadores que já vestiram a camisa grená, passaram por grandes clubes brasileiros. Somente para lembar: Rosan, Dudu, Faustino, Peixinho, Bazani, Nei, Pio, Fogueira, Galhardo, Cabinho, Maritaca, Téia e tantos outros. A equipe da Ferroviária em 1970 era assim formada; Getúlio, Baiano, Fernando, Ticão e Fogueira; Ademir e Bazani; Nicanor, Lance, Cabinho e Maritaca. Esta foi a equipe que o técnico Vail Mota mandou a campo no dia 6 de setembro de 1970 para enfrentar o Corinthians pelo Campeonato Paulista. O jogo foi no Estádio Alfredo Schurig, mais conhecido por Parque São Jorge e neste dia o alvinegro venceu por 2 a 0, gols de Suingue cobrando pênalti e Benê.

                 Depois de fazer um ótimo Campeonato Paulista em 1970 e também no ano seguinte, vários clubes da capital começaram a namora-lo. E foi num jogo em que o Corinthians fez em Araraquara no dia 21 de março de 1971 que tudo ficou acertado. Ao final do Paulistão daquele ano, Lance iria para o Parque São Jorge. Neste dia Corinthians e Ferroviária empataram em 2 a 2, gols de Lance e Ademir para a Ferrinha, enquanto que Mirandinha marcou os dois gols da equipe corintiana. Mas antes de acontecer esta mudança, as duas equipes ainda se enfrentaram no segundo turno e foi no dia 9 de junho de 1971, quando o Corinthians venceu por 3 a 0, gols de Aladim e dois de Mirandinha.  

CORINTHIANS

                Ainda naquele ano de 1971, Lance se apresentou ao técnico corintiano, Sr. Francisco Sarno, que imediatamente o escalou para um amistoso contra o Grêmio Catanduvence no dia 12 de dezembro, na cidade de Catanduva-SP. O jogo terminou com a vitória do time da casa por 2 a 1, com dois gols de Paulo Sérgio, enquanto que para o alvinegro marcou Nelson Lopes. Neste dia o Corinthians jogou com; Sidney, Zé Maria (Sadi), Baldochi, Luiz Carlos e Pedrinho; Tião e Suingue; Caíto (Lindóia), Mirandinha (Lance), Nelson Lopes (Marco Antonio) e Aladim.

TORNEIO LAUDO NATEL

                Chegava o ano de 1973 e já no início do mês de março o Corinthians tinha uma decisão pela frente. Era o Torneio Laudo Natel, que muitos diziam que era uma preparação para o Campeonato Paulista. Neste Torneio participaram; Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Portuguesa, e Saad de São Caetano do Sul. O Corinthians fez sua estreia no dia 4 de fevereiro contra o Saad e venceu por 2 a 0, gols de Nelson Lopes e Vaguinho. Depois enfrentou a Portuguesa no dia 10 de fevereiro e outra vitória do time alvinegro, desta vez por 1 a 0, gol de Ademir. No dia 24 de fevereiro era a vez do São Paulo sentir a força do Timão, o jogo terminou 1 a 0 para o Corinthians, gol de Vaguinho. A última rodada marcava Corinthians x Palmeiras. O vencedor daquela partida seria o grande campeão.

               Era o dia 3 de março de 1973, sábado de carnaval. Para este jogo o técnico Duque, do Corinthians, mandou a campo os seguintes jogadores; Ado, Zé Maria, Vagner, Luiz Carlos e Miranda; Tião e Rivelino; Vaguinho, Lance, Mirandinha (Adãozinho) e Marco Antonio. Do outro lado o técnico Osvaldo Brandão escalou a seguinte equipe; Leão, Eurico, Luiz Pereira, Alfredo e Zéca; Dudu e Ademir da Guia; Edu, Leivinha (Madurga), Milton e Nei.

               Logo aos 7 minutos de jogo o Palmeiras abriu o placar através do centroavante Milton. A torcida corintiana estava apreensiva nas arquibancadas do Morumbi. Até que aos 37 minutos ainda do primeiro tempo, Rivelino cobrando uma falta, empatou a partida. Final do primeiro tempo e tudo igual 1 a 1. Veio o segundo tempo e muito incentivado pela Fiel Torcida Corintiana, o time voltou com mais disposição e garra, pois queria aquele título de qualquer forma. Mas somente aos 38 minutos que saiu o grito da garganta dos torcedores corintianos.

               Zé Maria cruzou na área palmeirense e Lance escorou de cabeça mandando a bola longe do alcance do goleiro Leão, que se esticou mas nada pode fazer. Assim que esse gol foi assinalado a torcida corintiana começou uma grande festa no Morumbi, cantando e sambando com suas imensas bandeiras. Na cidade o carnaval aumentou depois do jogo e a festa se prolongou por toda a noite na capital paulista. Lance saiu carregado como herói daquele jogo.

DECEPÇÕES

               Ao longo de sua carreira, Lance teve várias decepções. Uma delas foi a perda do título do Campeonato Paulista de 1974, quando chegou na final contra o Palmeiras. Na primeira partida realizada dia 18 de dezembro no Pacaembu, o Palmeiras abriu o placar logo a 1 minuto de jogo através do ponta direita Edu. Mas o Corinthians empatou três minutos depois através de Lance de cabeça, depois de um escanteio cobrado por Zé Maria. E a decisão ficava para o dia 22 de dezembro no Morumbi. O Palmeiras nem tinha aquela obrigação de ganhar aquele titulo, pois já vinha ganhando tudo. A carga toda era em cima do Corinthians.

               Para se ter uma ideia, o estádio tinha 90% de corintianos e mesmo assim os 10% de palmeirenses não conseguiram se agrupar. Ficaram espalhados. Então o jogo começou e o time alviverde jogando muito tranquilo. Foi até que Ronaldo fez o gol. O semblante e a preocupação do time corintiano era visível.  O Rivelino coitado, botaram toda pressão e culpa pra cima dele e com isto precisou sair do clube, foi vendido ao Fluminense do Rio de Janeiro.

               A segunda decepção na carreira de Lance, aconteceu justamente no dia em que Rivelino fazia sua estreia com a camisa do Fluminense. Num jogo amistoso, Corinthians e Fluminense se enfrentaram no Maracanã no dia 8 de fevereiro de 1975. Rivelino querendo mostrar a grande injustiça que fizeram com ele no Parque São Jorge, resolveu jogar tudo que sabia e assim ele marcou 3 gols contra seu ex-clube. O jogo terminou com a vitória do Tricolor Carioca por 4 a 1. O único gol corintiano foi anotado por Lance. Já no final da partida, houve uma grande confusão envolvendo o árbitro José Roberto Wright e um dos bandeirinhas, que disse ter sido agredido por Lance, mas que na verdade quem o agrediu foi Vaguinho. Lance foi expulso de campo e foi a julgamento. Pegou 10 meses de suspensão.

               Sua última partida pelo Corinthians aconteceu no dia 24 de novembro de 1977, quando o alvinegro derrotou o Taubaté por 2 a 1 num jogo amistoso realizado no Vale do Paraíba. Os dois gols foram anotados por Geraldão. Neste dia o técnico João Avelino mandou a campo os seguintes jogadores; Tobias (Jairo), Zé Maria, Moisés, Zé Eduardo e Wladimir (Claudio Mineiro); Ruço (Luciano), Basílio (Adãozinho) e Palhinha (Lance); Vaguinho (Daércio), Geraldão e Romeu. Com a camisa do Corinthians, Lance disputou 211 jogos. Venceu 93, empatou 71 e perdeu 47. Marcou 38 gols e conquistou o titulo paulista de 1977.

SANTO ANDRÉ 

                Depois que deixou o Corinthians, Lance jogou em vários clubes como o Atlético Paranaense e Coritiba, até chegar no Santo André onde encerrou sua carreira em 1981. E jogando pelo time do ABC paulista, Lance também foi o protagonista de um dos momentos mais importantes do “Ramalhão”, em 1981, quando fez um gol aos 49 minutos do segundo tempo no jogo contra o Saad, que garantiu a passagem para a semifinal. Lance fez o gol e correu em direção à torcida que lotava o estádio Lauro Gomes (hoje chamado de Estádio Anacleto Campanella). A torcida também foi ao seu encontro e o alambrado desabou. A própria torcida recompôs o alambrado, de maneira improvisada, para garantir a continuidade e o encerramento do jogo.

                Lance atualmente mora no ABC Paulista e é dono da Lance Joias, que fica na Praça do Carmo, nº 71, conjunto 52 C, Santo André. Trabalhando com ouro e fabricando joias folheadas, o ex-jogador está bem de vida. É casado com Dona Hilda e pai de dois filhos: Rafaela e Ernesto.

1974 – Em pé: Zé Maria, Tião, Laércio, Armando, Brito e Wladimir    –    Agachados: Vaguinho, Lance, Zé Roberto, Rivelino e Pita
1972 –  Em pé: Vágner, Baldochi, Sidnei, Suingue, Luiz Carlos e Eberval    –     Agachados: Vaguinho, Lance, Mirandinha, Nelson Lopes e Rodrigues
1974 – Em pé: Zé Maria, Buttice, Tião, Brito, Baldochi e Wladimir    –     Agachados: Vaguinho, Lance, Zé Roberto, Pita e Peri
Em pé: Getúlio, Baiano, Zé Carlos, Caue, Ticão e Fernando   –     Agachados: Buião, Zé Luiz, Lance, Bazani e Ney
Em pé: Fernando Sátiro, Fogueira, Getúlio, Mariani, Ticão, Bebeto, Fernando e o técnico Vail Mota    –     Agachados: Maurinho, Lance, Cabinho, Bazani e Nei
1971. Em pé: Celinho, Carlos Alberto, Fogueira, Muri, Ticão e Rossi   –     Agachados: Valdir, Zé Luis, Lance, Bazani e Nascimento

Postado em L

Deixe uma resposta