ALFINETE: lateral direito de futebol simples porem eficiente

                     Carlos Alberto Dario de Oliveira nasceu dia 1 de fevereiro de 1961, na cidade de Jales – SP. No meio futebolístico ficou conhecido por Alfinete. começou a dar seus primeiros chutes no futebol jogando em um colégio na cidade de Votuporanga, no interior paulista. Depois de ser observado por olheiros, acabou sendo chamado para jogar nas categorias de base do XV de Jaú em 1978. Um ano depois, Alfinete profissionalizou-se e já defendia o time jauense no Campeonato Paulista da Série A1.

                     O jovem jogador demonstrava ser um bom meia-direita, com um toque de bola refinado mas, por sugestão do técnico Cilinho, passou a atuar na lateral-direita. A partir dessa mudança, o futebol brasileiro ganhava um dos melhores jogadores da posição. Depois de se destacar no XV de Jaú nos Paulistões de 1980 e 1981 e no Campeonato Brasileiro de 1982, Alfinete encheu os olhos de dirigentes de grandes clubes com um futebol muito técnico, tanto que acabou contratado pelo Corinthians, em 1982.

                    Alfinete, ex-lateral-direito do Corinthians, de 82 e 83, do Grêmio, do Atlético Mineiro e outras equipes, mora em Jaú (SP), onde começou a carreira no XV de Jaú, e tornou-se técnico de futebol. Ele chegou a dirigir o Noroeste de Bauru (SP), em 2005 acertou com o Rioverdense, de Goiás, e em 2006 comandou o Toledo (PR), onde também trabalhou como supervisor de futebol das categorias de base. Em 2008, estava dirigindo o Anápolis, da primeira divisão de Goiás, mas em seguida foi convidado para comandar o Brasiliense na Série B do Campeonato Brasileiro.Dirigiu inclusive o Jacaré contra o Corinthians, no Pacaembu, em jogo válido pela competição.

                    No dia 22 de junho, entretanto, foi demitido depois da derrota por 1 a 0 para o arqui-rival Gama, no estádio Mané Garrincha. Também foi auxiliar técnico de Cilinho. “Assim que encerrei a carreira, no Fluminense em 94, surgiu a oportunidade de ser auxiliar do Cilinho, que me lançou no time de cima do XV”, lembra. Alfinete fez parte do time corintiano bicampeão paulista 82-83. No segundo semestre de 83, ele e foi para a Ponte Preta (SP) na negociação que trouxe o goleiro Carlos e o lateral-direito Édson para o Parque São Jorge. “Eu e o Paulo Egídio (ponta-esquerda) fomos para a Ponte Preta na negociação e depois tivemos nossos passes vendidos ao Joinville.”

                   Depois do time de Santa Catarina, Alfinete e Paulo Egídio mais uma vez atuaram juntos no Grêmio. No Tricolor Gaúcho, o lateral-direito viveu um de seus melhores momentos na carreira, conquistando vários títulos gaúchos. Querido pela torcida, Alfinete saiu do clube por cima em 1990 e retornou ao Olímpico em 1993, após passagens pelo Atlético Mineiro, Ituano (SP) e Vila Nova (GO). Seu último clube foi o Tricolor das Laranjeiras.

CORINTHIANS

                   Alfinete chegou ao Corinthians ainda jovem. Tinha apenas 21 anos e integrou o time da “Democracia Corintiana”, bicampeão paulista em 1982 e 1983. Sua estreia aconteceu dia 28 de abril de 1982, quando o Corinthians empatou com a Portuguesa de Desportos em 1×1, gols de Caio para a Lusa do Canindé e Magú para o Timão. Neste dia o técnico corintiano Mário Travaglini mandou a campo os seguintes jogadores; Rafael, Zé Maria (Alfinete), Gomes, Daniel Gonzales e Wladimir; Caçapava, Biro Biro e Paulinho; Eduardo, Casagrande e Magú.

                  Sua última partida com a camisa corintiana aconteceu no último jogo do Timão no ano de 1983, ou seja, dia 10 de dezembro de 1983. O jogo foi um amistoso com o Fluminense do Rio de Janeiro no Maracanã e terminou empatado em 2×2, gols de Washington e Assis para o Flu e Casagrande e Zenou para o Corinthians. Nesse dia o técnico Jorge Vieira escalou a seguinte equipe; Leão, Alfinete, Mauro (Wagner), Juninho e Wladimir; Biro Biro, Sócrates e Zenon; Paulinho (Ataliba), Casagrande e Eduardo (Luiz Fernando).

                  Pelo alvinegro do Parque São Jorge, o lateral participou de 107 partidas (54 vitórias, 34 empates e 19 derrotas) e marcou três gols. Alfinete deixou o clube pouco antes do Brasileirão de 1984.

OUTROS CLUBES

                 Depois que deixou o Corinthians, Alfinete jogou na Ponte Preta de Campinas, onde foi campeão do interior. Depois foi disputar o campeonato catarinense, onde defendeu por dois anos o Joinville de Santa Catarina, onde disputou 79 jogos, com 37 vitórias e marcou 8 gols. Depois ficou três anos no Grêmio Portoalegrense, dois anos no Atlético Mineiro, onde disputou 82 partidas e marcou 10 gols. Depois jogou no Vila Nova de Goiás, Ituano de São Paulo e finalmente encerrou sua carreira no Fluminense do Rio de Janeiro, onde foi vice-campeão carioca em 1994.

TREINADOR

                Depois que encerrou a carreira de jogador passou a viver fortes emoções fora das quatro linhas, ou seja, foi trabalhar como treinador. Iniciou seu novo trabalho no XV de Jaú em 1996, depois trabalhou no Rioverdense em 2005, no Toledo do Paraná em 2006 e 2007, no Anápolis de Goiás em 2008 e ainda nesse ano trabalhou no Itumbiara de Goiás e no Brasiliense e finalmente em 2009 no Noroeste de Bauru.

                Em 2008, estava dirigindo o Anápolis, da primeira divisão de Goiás, mas em seguida foi convidado para comandar o Brasiliense na Série B do Campeonato Brasileiro. Dirigiu inclusive o Jacaré contra o Corinthians, no Pacaembu, em jogo válido pela competição. No dia 22 de junho, entretanto, foi demitido depois da derrota por 1 a 0 para o arqui-rival Gama, no estádio Mané Garrincha. De 2009 até 2010, Alfinete passou comandou o Santa Helena, o Noroeste, o Anápolis e o AA Goiatuba.

TÍTULOS CONQUISTADOS

                Como jogador Alfinete conquistou vários títulos, como por exemplo; bicampeão paulista pelo Corinthians em 1982 e 1983. Campeão do Interior pela Ponte Preta em 1984. Campeão Catarinense pelo Joinville em 1985, campeão pelo Grêmio no estadual de 1987 e 1990 e pela Copa do Brasil em 1989. Pelo Atlético Mineiro foi campeão estadual em 1991 e campeão da Copa Conmebol em 1992. E finalmente campeão goiano pelo Vila Nova. Foi também vice-campeão carioca pelo Fluminense em 1994.

POR ONDE PASSOU DEIXOU SAUDADE 

                Por onde passou o lateral Alfinete deixou saudades. E não foi diferente no Joinville. Depois de atuações marcantes por XV de Jaú, Ponte Preta e Corinthians, onde foi bicampeão paulista, chegou ao Tricolor Catarinense em 1985 e fez parte do time octacampeão catarinense.

                Em 1986, jogando o fino da bola vestindo o manto tricolor, recebeu o troféu bola de Placar, como o melhor lateral direito do brasileiro de 1986. É até hoje o único jogador do JEC a receber esse prêmio. O gol mais marcante de Alfinete em sua passagem pelo Joinville foi, sem dúvida, o anotado diante do Cruzeiro, dia do seu 26° aniversário, em 01 de fevereiro de 1987, após rebote do goleiro.

               Alfinete permaneceu no JEC até março de 1987. Depois passou por Grêmio e foi tetracampeão gaúcho e Campeão da Copa do Brasil. Em 91 chegou ao Atlético Mineiro, onde foi campeão estadual e da Conmebol. Em 1993, antes de ser campeão com o Vila Nova-GO, passou pelo Ituano e encerrou a carreira de jogador no Fluminense.

Em pé: Mazaropi, Alfinete, João Carlos, Luís Eduardo, Airton e Paulo Bonamigo   –    Agachados: Robertinho, Cuca, Cardosinho, Cristóvão Borges e Serginho
1988   –  Em pé: Mazaropi, Henrique, Luís Eduardo, Airton, Bonamigo, Alfinete e Carlinhos Neves (preparador físico)   –    Agachados: Valdo, Cuca, Lima, Cristóvão Borges e  Zé Roberto
1983   –   Em pé: Leão, Sócrates, Casagrande, Eduardo, Biro-Biro e Zenon   –   Agachados: Mauro, Alfinete, Paulinho, Juninho e Wladimir
Em pé: Cidinho, Alfinete, Eugênio, Carlos Pracidelli, Célio e Tobias   –    Agachados: Geraldo, Cardim, Níveo, Carlos Silva e Aroni
1982  –  Em pé: Solito, Sócrates, Ataliba, Casagrande, Zenon e Biro-Biro   –   Agachados: Mauro, Daniel Gonzáles, Alfinete, Paulinho e Wladimir
Postado em A

Deixe uma resposta