ZENON: bicampeão paulista pelo Corinthians em 1982 e 1983

                  Zenon de Souza Farias nasceu dia 31 de março de 1954, na cidade de Tubarão-(SC).   Começou sua carreira em 1971, meio que por acaso, no pequeno Hercílio Luz, interior do estado catarinense. Segundo ele, nunca pensou em ser jogador de futebol, mas depois que começou, acabou gostando e ficando. Teve uma ascensão muito rápida. Logo depois foi jogar no Avaí, onde sagrou-se campeão estadual em 1973 e 1975. Com estes dois títulos em seu currículo, começou a despontar para o cenário nacional.

                  Foi aí que o Guarani de Campinas não dormiu no ponto e logo correu atrás daquele meio-campista que parecia ter um futuro promissor. E não foi em vão toda aquela correria, pois em pouco tempo, Zenon mostrava que realmente era um grande jogador e que daria muitas alegrias à torcida bugrina. O auge de sua carreira dentro do clube campineiro, aconteceu  no  ano  de  1978,  quando  sagrou-se Campeão Brasileiro.       

                  Fato inédito para um clube do interior.  Mas não podemos esquecer que naquele ano o Guarani tinha uma equipe maravilhosa e era comandada por um grande técnico, Carlos Alberto Silva.  Mas nem tudo foi só alegria na vida de Zenon dentro do seu novo clube. Quando chegou ao Brinco de Ouro em 1976, teve problemas de adaptação. O treinador daquela época, Diede Lameiro, queria que ele jogasse como centroavante, Zenon não aceitou a condição e preferiu amargar o banco de reservas.

                 Ele queria a camisa 10. As coisas só começaram a melhorar, quando Carlos Alberto Silva assumiu o comando do time. Com 24 anos de idade, assumiu a condição de titular absoluto da equipe, que na época tinha a seguinte formação;  Nenéca, Mauro, Edson, Gomes e Miranda; Zé Carlos, Renato e Zenon; Capitão, Careca e Bozó.  Depois de uma brilhante campanha, o Guarani foi decidir o título com o Palmeiras. O primeiro jogo aconteceu no dia 10 de agosto no estádio do Morumbi, que recebeu um grande público.

                 Aos 25 minutos do segundo tempo, Careca foi agredido pelo goleiro Leão e caiu na área. O árbitro Arnaldo César Coelho marcou pênalti expulsou o goleiro palmeirense. Quem foi para o gol do Verdão foi o atacante Escurinho, pois o técnico Jorge Vieira, já havia efetuado as três substituições. Bola na marca da cal, e quem estava lá para bater?  Zenon, que é irmão de Zita, de Zonaide, de Ziza, de Zélia e de Zenoir.  E não deu outra, Guarani 1 a 0. E este acabou sendo o placar final da partida.

                 Naquele momento, abria-se o caminho para o primeiro título nacional de um clube do interior paulista.  Infelizmente no final do jogo, Zenon levou o terceiro cartão amarelo e teve que ficar de fora da segunda partida, que foi disputada no dia 13 de agosto de 1978, no Estádio Brinco de Ouro da Princesa, na cidade Campinas.  Com um público acima de 30 mil pessoas, o Guarani venceu o Palmeias por 1 a 0, gol de Careca aos 36 minutos da etapa inicial. Guarani Campeão Brasileiro de 78.

                Zenon jogou no Guarani até 1980, quando tomou a decisão de jogar no futebol árabe. Sabendo que a carreira no futebol é curta e pensando em sua independência financeira, foi que tomou esta decisão. Foi jogar no Al Ahli, da cidade de Jeddah, na Arábia Saudita. Pela negociação do passe, o clube brasileiro ficou com 30 milhões de cruzeiros, enquanto Zenon recebeu 10 milhões mais os 15% que tinha direito, aproximadamente 4 milhões. No primeiro ano no Oriente Médio, ganharia 475 mil cruzeiros por mês, depois nos outros 12 meses, 552 mil cruzeiros. 

               Ainda teria direito a uma casa para morar, um carro zero quilômetro, férias de três meses anuais e passagens de Jeddah para o Rio e do Rio para Jeddah gratuitamente, duas vezes nos dois anos em que atuaria pelo clube árabe. A proposta tentadora, aceita sem muitas cerimônias tinha uma justificativa. Zenon e toda a torcida bugrina reclamava um lugar na seleção brasileira. Com a camisa canarinho atuou em seis partidas (3 vitórias, 1 empate, 2 derrotas) e não marcou nenhum gol.  O fato de ter disputado poucos jogos pelo time canarinho foi uma das decepções da carreira do craque.

               Sua primeira convocação havia sido em 1978, com o técnico Cláudio Coutinho, quando disputou a Copa América, mas não segurou a vaga.  A cláusula do contrato de ida para o futebol árabe previam que Zenon, ao final, não teria direito a ficar com o próprio passe nas mãos. Um retorno para o futebol brasileiro, era encarado como tarefa quase impossível. Mas não para o intrépido presidente do Corinthians, Vicente Matheus, que, em 1981, com auxílio até mesmo do então Ministro da Fazenda, Delfim Netto, que, com diplomacia, o ajudou a entrar na Arábia Saudita com maiores facilidades, trouxe o meio-campista para o Parque São Jorge por 35 milhões de cruzeiros.

              Em sigilo, ele mais um grupo de outros dirigentes corintianos viajaram até Londres, onde conseguiram autorização para pousar em Jeddah.  Na viagem de volta, que durou 33 horas, até o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, Vicente Matheus trouxe na bagagem um contrato assinado com o jogador, que viria preencher uma lacuna deixada por Rivelino, após sua ida para o Fluminense em 1975.

              No Corinthians teria tudo para aumentar seu número de troféus na prateleira, exercendo sua função de maestro do time. Zenon estreou no Corinthians, na derrota por 4 a 1 contra o Santa Cruz do Recife, numa partida disputada dia 12 de março de 1981, em pleno estádio do Pacaembu, sendo que o gol de honra do time corintiano foi marcado por Zenon cobrando pênalti aos 41 minutos do segundo tempo quando a partida já estava quatro a zero para a equipe pernambucana. Acabou ficando por cinco anos no clube da capital paulista.

              Participou da Democracia Corintiana, tendo conquistado o bicampeonato paulista nos anos de 82 e 83, quando o Corinthians tinha a seguinte equipe; Leão, Alfinete, Mauro, Juninho e Wladimir; Paulinho, Biro Biro, Sócrates e Zenon; Eduardo e Casagrande. Os dois títulos foram conquistados em cima do São Paulo F.C.  Mesmo atuando como um dos poucos lançadores do futebol nacional e certeiro nas cobranças de falta, conseguiu marcar 60 gols durante a passagem pelo Timão – média de 12 bolas na rede por ano.  Destes gols marcados, 12 foram de falta e 7 de pênalti. 

              Seu último gol com a camisa alvinegra, aconteceu no dia 31 de agosto de 1985, quando o Corinthians empatou em 1 a 1 contra a seleção do México, num amistoso realizado na Califórnia – EUA.  Coincidentemente, ao final da Democracia, a situação de Zenon no Timão passou a ficar desagradável. As críticas quanto as más atuações do time acabaram caindo sobre o meio-campista. Seu nome passou a figurar entre os dispensáveis do Corinthians e constantemente sondado para trocas com outros clubes.

             Recusava o banco de reservas e, exigia reconhecimento da diretoria que outrora havia confiado em sua capacidade. O clima ruim culminou com sua transferência para o Atlético Mineiro, em 1985, com o qual assinou um bom contrato. Com a camisa do alvinegro de Parque São Jorge, Zenon realizou 304 partidas. Venceu 143, empatou 104 e perdeu 57 vezes.

              Pelo clube mineiro, Zenon sagrou-se bicampeão estadual em 85/86. De Belo Horizonte, Zenon, aos 33 anos, passou pela Portuguesa de Desportos em 1988, onde passou a ganhar muito pouco. Depois disso voltou ao Brinco de Ouro da Princesa para disputar um Campeonato Paulista com a camisa do Guarani, clube em que ele ganhou projeção nacional ao conquistar o título do campeonato brasileiro em 1978.  Jogou ainda no Maringá e parou no São Bento de Sorocaba, em 1991.

             Depois disso, foi tri-campeão pela seleção de Masters do Brasil antes de encerrar a carreira de jogador profissional.  Durante sua carreira, Zenon marcou vários gols que ele considera muito importante. Por exemplo, aquele contra o Vasco pela semifinal do Brasileirão de 78 e também contra o Internacional de Porto Alegre, no mesmo ano. Este foi marcante, pois o Inter fazia a chamada linha burra. Zenon ameaçou de fazer o lançamento e acabou levando toda a defesa do Inter e fazendo o gol. Os chutes venenosos de Zenon não enganavam só os goleiros.

             Até um narrador de rádio consagrado foi vítima da finalização com curva do meia. Isto aconteceu no dia 1 de maio de 1983, no Morumbi, quando Zenon fez um golaço contra o Flamengo na vitória corintiana por 4 a 1. O narrador José Silvério da Jovem Pan não acreditou na queda repentina da bola e narrou assim; “Zenon chutou pra fora…. é goooool”.

              Zenon é formado em Educação Física, jogou como poucos e foi um exímio batedor de faltas. Atuou por mais de 20 anos como jogador profissional. Passou pela seleção brasileira e por grandes clubes do futebol. Tem facilidade em se comunicar, inclusive trabalha como comentarista esportivo de uma TV de Campinas. Atualmente são poucos os comentaristas esportivos que possuem tamanha experiência dentro das quatro linhas como Zenon.  Pai de dois filhos, mora em Campinas e é dono da Escola Bolão de Futebol Society, no bairro de Mansões de Santo Antonio.

              Ainda joga com o Ataliba, João Paulo e outros. “O povo gosta de futebol e somos bem recebidos. Massageia o nosso ego e faz bem para cabeça, pois o atleta sente falta desse carinho da torcida”, comenta o meia. Não ter disputado uma Copa do Mundo é a única tristeza que Zenon teve em sua vitoriosa trajetória. Ainda pensa em ser treinador, mas só quando essa cultura de resultados que existe no Brasil terminar.

Em pé: Leão, Oscar, Amaral, Falcão, Miranda, Zé Maria e o treinador Carlos Alberto Silva   –    Agachados: Careca, Zico, Palhinha, Paulo César Carpegiani e Zenon
Em pé: João Leite, Nelinho, Lucas, Luisinho, Batista e Gaspar   –    Agachados: Sérgio Araujo, Ewerton, Nunes, Zenon e Renato Pé Murcho
Guarani campeão brasileiro de 1978  –  Em pé: Zé Carlos, Edson, Mauro, Miranda, Gomes e Neneca   –    Agachados: Capitão, Renato, Careca, Zenon e Bozó
Seleção de Campinas em 1977   –  Em pé: Carlos, Oscar, Mauro, Polozzi, Zé Carlos e Odirlei   –    Agachados: Lúcio, Renato Pé Murcho, Careca, Zenon e Tuta
Em pé: Pereira, Batista, Éder Lopes, Luiz Cláudio, João Pedro e Paulo Roberto    –    Agachados: Sérgio Araújo, Vander Luís, Marquinhos, Zenon e Renato Pé Murcho
Em pé: Sérgio Néri, Valmir, Pereira, Vitor Hugo, Alberis e Tosin    –    Agachados: Mário, Vagner Mancini, Washington, Zenon e João Paulo
Campeão Paulista de 1983    –   Em pé: Sócrates, Casagrande, Eduardo, Biro-Biro e Zenon   –    Agachados: Mauro, Alfinete, Paulinho, Juninho e Wladimir
1981   –  Em pé: Rondinelli, Gomes, Zé Maria, Rafael, Caçapava e Wladimir    –    Agachados: Biro-Biro, Sócrates, Mário, Zenon e Paulo César Caju

Postado em Z

Deixe uma resposta