BRANDÃO: primeiro jogador corintiano a disputar uma copa do mundo

                José Augusto Brandão nasceu dia 21 de abril de 1911, na cidade de Taubaté – SP. Talvez nem mesmo o corintiano mais fanático conheça a História de José Augusto Brandão, o Mestre Brandão. Jogou no Corinthians durante onze anos e nesse período conquistou quatro títulos, ou seja, o tricampeonato de 1937, 38 e 39 e o título de 1941. Ao todo foram 283 partidas com a camisa alvinegra de Parque São Jorge. Venceu 178, empatou 48 e perdeu 57. Marcou 13 gols a favor e um contra.

                Era um centro médio de muita classe e por isso foi convocado pelo técnico Ademar Pimenta, para disputar a Copa de 1938, na França. Com isto, Brandão entrou para a história do Corinthians, pois foi o primeiro jogador do clube a disputar uma Copa do Mundo. O mundial de 38 foi muito tenso, marcado pela gravíssima situação internacional, que levaria a Europa e o mundo à Segunda Guerra Mundial, pouco mais de um ano depois daquele evento. O Brasil ficou em terceiro lugar, mas teve o brasileiro Leônidas da Silva como artilheiro da competição com 8 gols.

INÍCIO DE CARREIRA

                Começou jogando como meia no Barra Funda Futebol Clube. Em 1931 passou pelo Juventus e em 1933 chegou à Portuguesa de Desportos, onde jogou até o final de 1934. E foi depois de uma partida da Lusa contra o Corinthians que ocorreu dia 25 de novembro de 1934, que a diretoria corintiana já entrou em negociação para compra de seu passe. Neste jogo o Corinthians venceu por 1 a 0, gol de Munhoz e a Portuguesa jogou com; Batatais, Neves e Machado; Martelete, Brandão e Gasperini; Teixeirinha, Frederico, Paschoalino, Alberto e Lima.  Este jogo foi no Campo do Floresta e foi válido pelo Torneio Nacional, torneio este que não chegou ao seu final, pois Corinthians e Palestra Itália abandonaram a competição.

CORINTHIANS

                  Logo no início de 1935, Brandão chegou ao Parque São Jorge e sua estreia aconteceu dia 27 de janeiro, num jogo amistoso contra o Botafogo do Rio de Janeiro, o qual venceu por 1 a 0, gol de Caldeira. Mas no jogo seguinte, Brandão mostrou a torcida corintiana porque foi contratado. Dono de um futebol clássico e de um espírito de luta incomparável, fez uma grande partida e logo caiu nas graças da Fiel. O jogo foi diante do Boca Juniors, da Argentina, num jogo amistoso realizado o estádio Alfredo Schuring, mais conhecido por Parque São Jorge.

                  O time argentino estava fazendo uma excursão ao Brasil e já havia vencido o Botafogo carioca por 4 a 0, o São Cristóvão por 6 a 0, empatou com o Vasco da Gama em 3 a 3, empatou com o Palestra Itália em 1 a 1, até que chegou o dia 10 de fevereiro, quando enfrentou o Corinthians. Neste dia o técnico corintiano Amilcar Barbuy, um dos primeiros ídolos do Corinthians, mandou a campo os seguintes jogadores; José I, Jaú e Jarbas; Brito, Brandão e Munhoz; Teixeira, Mamede, Teleco, Carlito e Wilson (Baianinho).

                  O jogo terminou com a vitória corintiana por 2 a 0, gols de Mamede e Wilson. Este jogo entrou para a história e teve uma grande repercussão na época, tudo porque o árbitro José Alexandrino, marcou um pênalti a favor do Corinthians e os jogadores argentinos não deixaram cobrar e depois abandonaram o campo aos 28 minutos do segundo tempo.  

                  Outro jogo na carreira de Brandão e que entrou para a história, aconteceu dia 8 de dezembro de 1935, na última partida que o Corinthians realizou naquele ano. Foi um amistoso contra a Portuguesa Santista, lá no Estádio Ulrico Mursa, em Santos. O jogo terminou com a vitória corintiana por 1 a 0, gol de Tedesco. Depois desta vitória, o Corinthians só iria conhecer uma derrota, dia 7 de março de 1937, ou seja, um ano e três meses sem perder. Nesse período foram 35 jogos, com 29 vitórias e 6 empates. A derrota foi para o Juventus por 4 a 2. E foi devido a esta vitória, que o Juventus passou a ser chamado de “Moleque Travesso”.

                 E foi no ano de 1937, que Brandão já como capitão da equipe, o qual permaneceu até o último jogo com a camisa alvinegra, conquistava seu primeiro título paulista. Era o primeiro título na era profissional. Em uma espécie de final antecipada com o Palestra Itália, Teleco não poderia jogar por uma lesão no braço, mas Zuza desmaiou ao saber da responsabilidade de substituir o centroavante. Desta forma, o artilheiro entrou no sacrifício e marcou, de cabeça, o gol da vitória por 1 a 0 no Parque Antárctica, no dia 14 de novembro. No ano seguinte veio o bicampeonato e de forma invicta. Na última rodada jogaram Corinthians x São Paulo.

                 Devido a Copa do Mundo de 38, o Campeonato Paulista se arrastou até 1939. Era o dia 23 de abril de 1939, quando tivemos o último jogo do campeonato. O São Paulo abriu o placar através de Mendes ainda no primeiro tempo. Logo no início da segunda etapa, caiu um verdadeiro dilúvio em São Paulo e a partida foi interrompida. Dois dias tivemos o restante do tempo de jogo e foi aí que o Corinthians empatou a partida através de Carlito e com este empate o alvinegro conquistou o 10º título paulista e o 3º bicampeonato.

                  Veio o ano seguinte e no dia 30 de dezembro de 1939, o Sport Club Corinthians Paulista conquistou o seu Tri Campeonato Paulista, ou melhor, o seu terceiro tricampeonato fato histórico até os dias de hoje. A campanha do Timão foi espetacular não foi de forma invicta como no ano anterior mais foi brilhante, em 20 partidas o Corinthians só sofreu uma derrota. A Final do Campeonato Paulista de 1939 foi realizada no Parque São Jorge e o Corinthians goleou o Santos por 4 x 1, com dois gols de Teléco e dois de Carlinhos. Neste dia o Corinthians jogou com; Joel, Jango e Dedão; Sebastião, Brandão e Munhoz; Lopes, Servilio, Teleco, Joane e Carlinhos.

                  Em 1940, Brandão não chegou a colocar a faixa de campeão, mas no ano seguinte com uma campanha brilhante, em 1941 o Sport Club Corinthians Paulista chega ao 12º título paulista da sua história, este o primeiro organizado pela Federação Paulista de Futebol, também foi o primeiro título do Corinthians no Estádio Paulo Machado de Carvalho ( Pacaembu ). Em 1941 a maior goleada do campeonato também foi corintiana: 7 a 0 em cima do Santos. O jogo que decidiu o título foi no dia 4 de outubro, quando o Corinthians goleou o Comercial da Capital por 6 a 0. Com um trio espetacular, Jango, Dino e Brandão, os três formavam a emblemática linha média campeã paulista em 1941, único título estadual daquela década.

SELEÇÃO BRASILEIRA

                  Campeão Paulista em 1937, Brandão foi convocado nesse mesmo ano a defender a Seleção Brasileira no Sul-americano realizado na Argentina. Em 1938, ano de Copa do Mundo, novamente foi lembrado, e ao lado do ponta-direita Lopes tornou-se o primeiro corintiano a disputar uma Copa do Mundo, onde ficamos em terceiro lugar. O mundial de 38 foi realizado na França. As 16 seleções foram divididas em 8 grupos de 2 seleções cada e o Brasil ficou juntamente com a Polônia, o vencedor prosseguia na competição. Este jogo foi no dia 5 de junho de 1938 e o Brasil venceu por 6 a 5.

                 Ao final dos 90 minutos, em campo inundado por fortes chuvas e sob violento temporal, as duas equipes chegaram ao surpreendente 4 a 4. Veio então a prorrogação de 30 minutos, com o campo impraticável, um lamaçal sem grama. Os poloneses marcaram seu quinto gol e os brasileiros fizeram mais dois, fechando assim o placar de 6 a 5 para o Brasil. Os gols brasileiros foram marcados por Leônidas da Silva (4), Romeu e Perácio. 

                Na próxima fase a seleção brasileira enfrentou a Checoslováquia num jogo dramático e tumultuado, que terminou empatado em 1 a 1, mesmo depois da prorrogação. Como tinha que haver um vencedor, foi marcado um novo jogo para o dia 14 de junho no mesmo local e o Brasil venceu por 2 a 1.  O Brasil já estava na semi-final e o adversário seria a fortíssima Itália. O jogo foi no dia 16 de junho na cidade de Marseille e o Brasil perdeu por 2 a 1. Sendo assim, tivemos que decidir o terceiro lugar, o chamado jogo do consolo.

                E o adversário foi a Suécia. Este jogo aconteceu dia 19 de junho, na cidade de Bordeaux e o Brasil venceu por 4 a 2. Neste dia o técnico Ademar Pimenta mandou a campo os seguintes jogadores: Batatais, Domingos da Guia e Machado; Zezé Procópio, Brandão e Afonsinho; Roberto, Romeu Pellicciari, Leônidas da Silva, Perácio e Patesko. Em 1942, Brandão voltou a vestir a camisa da nossa seleção, no sul-americano realizado no Uruguai.

MESTRE BRANDÃO

                José Augusto Brandão, Mestre Brandão, assim era conhecido esse jogador, foi um dos principais ídolos do clube nos anos 30 e 40. Jogador clássico técnico e sobre tudo com muita raça, era um exemplo de jogador corintiano totalmente abnegado, foi capitão do Sport Club Corinthians Paulista por mais de dez anos. Ao lado de Jango e Dino, formou um meio de campo espetacular que foi fundamental para a conquista do terceiro Tri Campeonato Paulista. Líder em campo, não era volante ou meia, mas centro-médio. Logo no primeiro clássico diante do Palmeiras, ajudou o Corinthians a quebrar um jejum de cinco anos sem vencer o arquirrival.

                 O jogo terminou com a vitória corintiana por 4 a 1, com três gols de Teixeira e um de Teléco. Mas esse não foi o único motivo para o jogador ganhar tamanha notoriedade, ainda que somente esse já bastasse. Em 285 partidas com a camisa alvinegra, o Mestre nunca foi expulso. Detentor de uma personalidade forte, vestiu a braçadeira de capitão por mais de dez anos. Após mais de uma década (1935 a 1946) defendendo o Corinthians, encerrou a carreira, aos 36 anos, com quatro títulos paulistas (1937/38/39 e 1941) e tornou-se funcionário público da Prefeitura de São Paulo. Brandão faleceu dia 20 de julho de 1989.

Seleção Brasileira de 1939   –   Da esquerda para a direita: Thadeu; Domingos da Guia; Perácio; Brandão; Zezé Procópio; Florindo; Carrero; Romeu Pellicciari; Leônidas da Silva; Afonsinho e Adílson

Corinthians campeão de 1937   –  Da esquerda p/ direita  –  José I, Jaú, Brandão, Teleco, Munhoz, Carlito, Carlos, Jango, Daniel, Carlinhos e Filó
1944   –   Em Pé: General, Domingos da Guia, Bino, Brandão, Begliomini e Dino    –   Agachados: Augusto, Servilio, Milani, Nandinho e Hércules
1941   –   Em pé: Jango, Dino, Chico Preto, Brandão, Ciro, Agostinho e o técnico Del Debbio     –     Agachados: Tite, Servilio, Teléco, Joane e Milani
Postado em B

Deixe uma resposta