BECKENBAUER: maior ídolo do futebol alemão

Franz Beckenbauer nasceu dia 11 de setembro de 1945, na cidade de Munique, Alemanha. É sem dúvida, um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos. Foi o capitão da Alemanha na conquista do mundial de 1974, onde redefiniu o papel de líbero. Era um jogador de rara técnica e extremamente aplicado em campo. O “Kaiser” como foi apelidado, havia nascido para brilhar.  É considerado o melhor jogador alemão de todos os tempos, tendo revolucionado os esquemas de jogo na defesa e no meio-campo. Depois de terminar a sua carreira como jogador, dedicou-se à carreira de treinador. Ao serviço da seleção alcançou a final da Copa do Mundo disputada no  México em 86, perdendo na final para a Argentina de Maradona. Contudo, em 1990 conquistou o título Mundial na Itália, com uma vitória na final, novamente frente à Argentina.

Desde cedo, ficou patente que Beckenbauer era um jogador fora de série e um predestinado que se viria a tornar, em breve, num dos melhores jogadores europeus e mundiais e na principal figura do futebol alemão de todos os tempos. Como futebolista de elevada técnica, Beckenbauer destacou-se na posição de “líbero”, excelente a defender e a sair da defesa para o ataque. Pode-se mesmo afirmar que Beckenbauer inventou uma nova dimensão para o papel de “líbero”, dando-lhe um componente mais ofensivo. Com efeito, Beckenbauer era dotado de uma excelente visão de jogo, exímio a ler e a pensar o jogo de trás para a frente, sem nunca perder de vista o posicionamento táctico em campo. Como jogador, Beckenbauer ganhou tudo o que havia para ganhar em seu clube de sempre, o Bayern de Munique, no qual jogou por 12 anos.

BAYERN DE MUNIQUE

              Começou sua carreira aos 9 anos, no time mirim do SC Munchen 06, indo para o Bayer quatro anos depois. Sua estréia no time principal só aconteceria em 1964, jogando de ala esquerdo. No ano seguinte, com apenas 20 anos de idade, foi convocado para defender a seleção alemã. E no ano seguinte, já estava disputando sua primeira Copa do Mundo. Durante o período que jogou no Bayern, conquistou ínumeros títulos, como; A Eurocopa, o Mundial Interclubes em 1976, que foi justamente contra o Cruzeiro de Belo Horizonte.  Foi também campeão das Copas dos campeões da Europa em 1974, 75 e 76 e tantos outros titulos. Realmente foi uma passagem marcante, que até hoje o torcedor do Bayern o reverencia como o maior ídolo que já passou pelo clube.

SELEÇÃO ALEMÃ

              Com apenas 21 anos de idade, já era titular absoluto da seleção alemã, quando disputou sua primeira Copa. Foi no ano de 1966, quando o mundial aconteceu na Inglaterra. Na época jogava de zagueiro, mesmo assim, marcou dois gols contra a Suíça na primeira fase, um contra o Uruguai nas quartas-de-final e outro contra a União Soviética na semifinal. A derrota para os ingleses na final foi dóida, mas ele estava certo de que chegaria a sua vez. Este jogo entre ingleses e alemães foi disputado dia 30 de Julho de 1966. O jogo terminou empatado em 2×2. Mas a prorrogação permitiria aos ingleses marcar mais dois gols e ficar com a Taça, sendo que o terceiro gol inglês, deu muita confusão, pois os alemães diziam que a bola não havia entrado, mas o bandeirinha confirmou o gol. Somente muitos anos depois, através dos computadores, pode-se confirmar que o gol foi legítimo.

              No mundial de 1970, disputado no México, tentaria o titulo novamente. Como capitão da seleção, Beckenbauer possuía muito mais responsabilidade em campo, e por tudo isso marcou apenas um gol na Copa, mas um gol que valeu muito. Foi contra a Inglaterra, nas quartas-de-final, a vingança pela derrota de quatro anos atrás. Naquele mundial, todos ficaram admirados com sua garra, pois disputou boa parte do jogo contra a Itália, com o braço enfaixado junto ao corpo, demonstrando a vontade de vencer. A Alemanha perdeu para a Itália e foi disputar com o Uruguai o terceiro lugar, onde os alemães venceram por 1 a 0. O próximo mundial seria disputado em sua própria nação. E ele não os desapontou. A essa altura, ele já jogava na posição que revolucionou, de líbero, atrás da defesa, organizando o time e ajudando também ofensivamente. Juntamente com Ger Muller e Paul Brietner, Beckenbauer atendeu ao clamor da massa alemã e foi o primeiro capitão a levantar a Taça FIFA, após um início conturbado na primeira fase. Neste mundial, o Kaiser não marcou nenhum gol, mas reconhece de longe como a mais memoravel, pelo fato da seleção ter vencido os holandeses, que chegaram à final com todo o favoritismo. O sonho de Beckenbauer estava concretizado. Após a Copa de 74, Beckenbauer ajudou o Bayer a conquistar mais tres títulos europeus consecutivos, um récorde até hoje.  Jogando pela seleção alemã, sagrou-se campeão europeu em 1972 e campeão mundial em 1974. Foi eleito Bola de Ouro em 1972 e 1976, prêmio este atribuído pela prestigiada revista francesa France Football e destinado ao melhor jogador europeu. Com a camisa da seleção alemã, realizou 103 jogos e marcou 14 gols, o que constituiu um recorde na antiga República Federal da Alemanha.

COSMOS  DE  NEW  YORK

              Em 1977, Beckenbauer aceitou o convite do Cosmos, de New York, e foi jogar ao lado de Pelé. Apesar de ter ficado lá por tres anos e conquistar tres campeonatos nacionais, Beckenbauer achou que a experiência não deu muito certo e ele voltou, já fora da seleção. Jogou duas temporadas no Hamburgo, encerrando sua participação no campeonato alemão com 44 gols em 424 jogos. Em 1983, voltou para o Cosmos para encerrar definitivamente a carreira.

TREINADOR

              Em 1984, foi escolhido como técnico da seleção alemã, levando-a ao vice-campeonato em 1986, no México, e para calar a boca da imprensa, com segurança, paciência e muita sabedoria, conquistou a Copa do Mundo de 1990 de forma invicta como treinador da seleção alemã, provando para todos que diploma não é tudo. Mesmo assim, não foi fácil, ele passou por maus momentos e quase perdeu o cargo em 1985, quando a Alemanha foi derrotada por três partidas consecutivas: 3 a 0 para a Inglaterra, 2 a 0 para o México e 1 a 0 para a União Soviética. Sua salvação foi a classificação para o mundial do México. Beckenbauer deixou a seleção, após a conquista do Mundial, dizendo estar cansado. Somente ele e Zagallo ganharam Copas como jogadores e técnicos. Mas a carreira de técnico continuou. O Kaiser dirigiu por algum tempo o Olympique de Marselha e comandou o Bayern interinamente na final da Copa da Uefa de 1996, contra o Bordeaux. Para variar, conquistou o título. Beckenbauer sempre esteve perto do esporte. Foi comentarista na década de 80 numa coluna de um jornal, o que elevou as vendas e teve também um programa de televisão em 1984.  O que estava faltando? Presidir a equipe?

PRESIDENTE  DO  BAYERN

              Pois não demorou muito e o craque Beckenbauer conquistou esse mérito. Em 17 de novembro de 1994 foi eleito com 2.912 votos, presidente do Bayern. Na época, ele afirmou que os títulos não eram mais prioridade e sim que os torcedores voltassem para casa felizes. O objetivo era apresentar um futebol atraente. Os jogadores precisavam ter muita garra e paixão pelo futebol.  O seu vice-presidente foi Karl-Heinz Rummenigge, o melhor futebolista alemão da geração que se seguiu à de Beckenbauer. Durante este período acabou por treinar a equipe, tendo alcançado o título de campeão em 1994 e a Taça UEFA em 1996.  Como presidente do seu clube de coração, o Bayern de Munique, ficou até 1998, depois foi eleito a vice presidente da Federação Alemã de Futebol. Posteriormente liderou o comitê de organização do Mundial de 2006, que foi disputado na Alemanha. Também é comentarista da conceituada publicação esportiva alemã, Bild-Zeitung.

              Como jogador, Beckenbauer era dotado de uma técnica refinada, além de um senso de liderança enorme, levando a posição de capitão em todos os times que jogou. Jogava como líbero, e, com sua visão de jogo incrível, armava contra-ataques fulminantes e tinha na elegância, com seu porte ereto, sempre com a cabeça levantada, uma marca registrada. Sua habilidade ajudou a Alemanha a ganhar a Copa do Mundo de 1974 e o Bayern Munique o Tri da Liga dos Campeões da UEFA em 1974/75/76.  Beckenbauer, o Kaiser (imperador em alemão) disputou ao todo, tres mundiais (1966, 1970 e 1974), num total de 103 partidas, sendo que em 50 ele foi o capitão da equipe, onde transmitiu aos demais jogadores muita raça e muita vontade de vencer. Tanto como jogador, como técnico, Beckenbauer foi campeão em todos os clubes pelos quais passou. Realmente foi um monstro sagrado do futebol alemão, e que o mundo todo o reverencia até hoje. 

Pelé e Beckenbauer revelando o mascote da Copa da Alemanha-2006, o leão Goleo
Time do Coskos – EUA em 1977 onde podemos ver os brasileiros Oscar e Carlos Alberto Torres. Pelé já havia encerrado a carreira. Beckenbauer é o número 6
SELEÇÃO DA ALEMANHA – CAMPEÃO MUNDIAL EM 1974 – Beckenbauer segurando a Taça, juntamente com o técnico da seleção
Postado em B

Deixe uma resposta