FILÓ: primeiro brasileiro a ser campeão mundial

                 Aufilóquio Guarisi Marques nasceu dia 26 de dezembro de 1905, na cidade de São Paulo-SP. Seu pai, o Sr. Manuel Augusto Marques foi o segundo presidente da Portuguesa de Desportos. Aufilóquio nos meios esportivos era conhecido por Filó. Jogou na Portuguesa, Paulistano, Corinthians, Lázio da Itália, Palestra Itália e tem uma curiosidade, defendeu a nossa seleção brasileira e também a seleção italiana. Foi o recordista de gols numa só partida, no Campeonato Paulista de 1924, no empate da Portuguesa contra o Brás em 5 a 5. Filó foi o autor dos cinco gols da Lusa. Em 1934, Filó, que tinha mãe italiana, naturalizou-se e defendeu a Squadra Azzurra na Copa do Mundo daquele ano, sendo conhecido como Guarisi. Tornou-se o primeiro brasileiro campeão mundial de futebol. Aliás, nessa copa o Brasil disputou apenas uma partida e perdeu para a Espanha por 3 a 1. “Guarisi” atuou na estreia contra os Estados Unidos. Vitória italiana por 7 a 1. Foi sem dúvida, um jogador que entrou para a história do futebol mundial.

PORTUGUESA DE DESPORTOS

               Certo dia, Filó estava assistindo a um treino da Portuguesa, quando lhe convidaram para completar o time reserva. Ele jogou, marcou três gols e foi contratado no mesmo dia. Filó fez sua estreia com a camisa da Lusa no dia 9 de novembro de 1924, quando a Portuguesa perdeu para o Paulistano por 2 a 0. Neste dia a Lusa do Canindé jogou com; Mesquita, Remo e Gaucho; Meirelles, Aloya e Canhoto; Filó, Salerno, Dino, Coelho e Mancuso. Filó jogou pouco tempo na Portuguesa, pois no mesmo ano fez sua última partida com a camisa da Lusa, que foi no dia 28 de novembro, e por coincidência nova derrota para o Paulistano, desta vez por 4 a 1.

PAULISTANO

               Em 1925, transferiu-se para o Paulistano, na época o melhor time de São Paulo. Sendo companheiro de equipe do lendário Arthur Friedenreich. Sua estreia aconteceu dia 10 de fevereiro de 1925 e ainda naquele mês, viajava para a Europa, onde a Portuguesa fez vários amistosos. No dia 15 de março, num jogo realizado na França, Filó foi autor de um dos gols na vitória de 7 a 2 sobre o time Stade Français. Pelo Paulistano, Filó conquistaria três títulos paulistas, em 1926 (quando foi o artilheiro com 16 gols), 1927 e 1929, pela LAF (Liga dos Amadores de Futebol). Ainda em 1925, Filó chegou a ser convocado para a Seleção Paulista, marcando 2 gols em uma vitória por 5 a 0 sobre a Seleção do Paraná, os outros gols foram marcados por Heitor, Feitiço e Neco.

CORINTHIANS

               Ainda em 1929, foi jogar no time de Parque São Jorge, quando o Corinthians disputava o Campeonato Paulista por uma outra Liga, APEA (Associação Paulista de Esportes Atléticos). Sua estreia aconteceu dia 6 de outubro, quando o Corinthians goleou o Santos por 4 a 1, gols de Gambinha (2), Rato e De Maria, enquanto que para o Peixe, Evangelista marcou o único tento. Neste dia o técnico Virgilio Montarini, do Corinthians, mandou a campo os seguintes jogadores; Tuffy, Grané e Del Débbio; Nerino, Guimarães e Munhoz; Filó, Peres, Gambinha, Rato e De Maria. O jogo foi realizado no estádio de Parque São Jorge, que havia sido inaugurado no ano anterior, dia 22 de julho de 1928.

               Em 1929 veio o bicampeonato em cima do arqui-rival Palestra Itália por 4 a 1. Este jogo aconteceu no dia 1 de dezembro de 1929 e os gols foram anotados por: De Maria (2), Filó e Gambinha, enquanto que para o Palestra marcou Carrone. Este título foi de forma invicta. Este ano de 1929, também foi importante para o Corinthians, pois além de conquistar seu sétimo título estadual, venceu o Barracas da Argentina por 3 a 1 no primeiro amistoso internacional do Corinthians. Este jogo aconteceu dia 1 de maio de 1929 e foi realizado no Parque São Jorge. No dia seguinte estava estampado no jornal “A Gazeta” um texto do jornalista Thomaz Mazzoni que saudava a “fibra dos mosqueteiros”. Sendo assim, a partir daquele dia os jogadores do Corinthians passaram a ser chamados de Mosqueteiros e o time ganhou o mascote adotado até os dias de hoje como oficial. 

               Em 1930, Filó ajudou o Corinthians a conquistar a Copa dos Campeões. E também neste ano veio o segundo tricampeonato alvinegro e o jogo final aconteceu no dia 4 de janeiro de 1931, quando o Corinthians goleou o Santos por 5 a 2 em plena Vila Belmiro. Os gols foram marcados por: Gambinha (2), De Maria, Filó e Nápoli, enquanto que para o Peixe marcaram Feitiço e Vitor. Neste dia a torcida corintiana invadiu a Vila Belmiro. Foram 8 composições de trem com 10 vagões cada, todos de corintianos que saíram da Estação da Luz para verem o Timão conquistar seu segundo tricampeonato. Na volta muitos torcedores viajaram em cima dos vagões sem camisa comemorando o titulo, com isto, muitos vieram a morrer de pneumonia e tuberculose. Pelo Corinthians, Filó disputou 72 jogos. Venceu 44, empatou 14 e perdeu 14. Marcou 41 gols

ITÁLIA

               Em 1931 a Lázio, da Itália, resolveu formar um time praticamente inteiro de brasileiros, que ganhou o apelido de Brasilázio. Seu começo na equipe italiana não foi satisfatório. O jogador alegava que ainda estavam para chegar do Brasil alguns pares de chuteiras feitas especialmente para seus pés, mas poucos confiaram em sua desculpa. Pouco antes de um jogo contra o Bari, as ditas chuteiras chegaram e o resultado foi um empate por 2 a 2, com dois gols de Filó. Depois disso, as boas atuações começaram a aparecer e o veloz ponta-direita se tornou peça fundamental para a Lazio. Com seus cruzamentos precisos, deixava os companheiros em ótimas posições para marcar o gol. Mas Filó também era dotado de um chute calibrado e quase sempre balançava as redes. Assim, o ponta foi elemento insubstituível no time que chegou ao vice-campeonato nacional em 1937, e chegou a ser capitão do clube, passando por vontade própria a faixa para Attilio Ferraris quando este chegou à Lazio. Ao todo, foram 134 partidas e 42 gols com a camisa celeste.

DE VOLTA AO CORINTHIANS     

                Filó voltou ao Corinthians em 1937 a tempo de vencer o estadual daquele ano e também nos dois anos seguintes. Foram três anos maravilhosos para o Corinthians e para Filó. Sob o comando de Neco, primeiro grande ídolo do clube, e Antônio Pereira, um dos cinco fundadores, o Corinthians ganhou o Campeonato Paulista de 1937, seu primeiro título profissional. Em uma espécie de final antecipada com o Palestra Itália, Teléco não poderia jogar por uma lesão no braço, mas Zuza desmaiou ao saber da responsabilidade de substituir o centroavante. Desta forma, o artilheiro entrou no sacrifício e marcou, de cabeça, o gol da vitória por 1 a 0 no Parque Antárctica, dia 14 de novembro de 1937.

               Em 1938, o Corinthians foi o campeão invicto de um Campeonato Paulista tumultuado. Em função da Copa do Mundo da França, que contou com as presenças de Lopes e Brandão, primeiros alvinegros no torneio. O Estadual teve apenas um turno. Após sete meses de paralisação, já em abril de 1939, a equipe venceu o São Paulo em uma decisão disputada em dois dias por causa da chuva. O placar de 1 a 1 garantiu o título ao time do Parque São Jorge. Oito meses após comemorar o título estadual de 1939, a torcida festejou o Paulista do ano vigente depois de ver o time golear o Santos por 4 a 1, no Parque São Jorge. Desta forma, o Corinthians conquistou seu 11º título regional, além de sacramentar o terceiro, último e inédito tricampeonato paulista. Em 1940, seu último ano como jogador, Filó conquistou seu quarto título paulista seguido, agora jogando pelo arqui-rival Palestra Itália, o atual Palmeiras – um dos times da colônia italiana de São Paulo.

SELEÇÃO BRASILEIRA

               Em 1925, no final do ano, Filó faria seus quatro jogos oficiais pela Seleção Brasileira, o primeiro sendo contra o Paraguai no dia 6 de dezembro de 1925. O Brasil venceu por 5 a 2 e ele marcou seus dois gols pela Seleção. Neste dia o Brasil jogou com; Tuffy, Penaforte e Clodô; Nascimento, Floriano e Fortes; Filó, Lagarto, Friedenreich, Nilo e Moderato. Enfrentaria o Paraguai novamente, com o Brasil vencendo por 3 a 1, e os outros dois jogos foram ambos contra a Seleção Argentina, com um empate de 2 a 2 e uma derrota por 4 a 1. Filó também jogaria pelo Brasil em duas partidas não-oficiais, um empate de 1 a 1 contra o Corinthians (sua estreia pela Seleção) e outro de 2 a 2 contra o Newell’s Old Boys, da Argentina. Ele era esperado para integrar a Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1930, no Uruguai. Entretanto, um sério desentendimento entre as ligas carioca e paulista fez com que apenas jogadores do Rio de Janeiro fossem ao mundial. Filó, Friedenreich e outros craques paulistas da época, como Feitiço, acabaram ficando de fora. O único de São Paulo a ir para a Copa foi Araken Patusca, que estava em litígio com seu clube, o Santos.

SELEÇÃO ITALIANA

               Sendo considerado cidadão italiano por ser filho de uma italiana, pôde jogar pela Squadra Azzurra e por ela participou da Copa do Mundo de 1934, onde a Itália, que era a anfitriã, conquistou seu primeiro título. Guarisi (como ele ficou conhecido na Itália), entretanto, só jogaria o primeiro jogo, na vitória por 7 a 1 contra os EUA; de qualquer forma, foi o primeiro brasileiro a ser campeão do mundo. Seu único gol pela Itália fora contra a Grécia, nas Eliminatórias para a Copa. Este foi o primeiro gol da Seleção Italiana em uma disputa de eliminatória de Copa do Mundo. Anfilóquio Guarisi Marques, conhecido como Filó, morreu em São Paulo dia 8 de junho de 1974.

1930 – Em pé: Nerino, Grané, Tuffy, Del Debbio, Guimarães e Munhoz    –     Agachados: Filó, Apparício, Gambinha, Rato e De Maria
Corinthians em 1930. Em pé: Nerino, Grané, Tuffy, Del Debbio, Guimarães e Munhoz    –     Agachados: Filó, Neco, Gambinha, Rato I e Rato II
Corinthians de 1930     –   Em Pé: Tuffy, Nerino, Grané, Guimaràes, Del Débbio e Munhoz      –     Agachados: Filó, Néco, Peres, Rato e De Maria
Postado em F

Deixe uma resposta