JOÃO PAULO: o Papinha da Vila Belmiro

                     João Paulo de Lima Filho nasceu dia 15 de junho de 1957, na cidade de São João de Meriti (RJ). Foi revelado pelo São Cristóvão, do Rio de Janeiro, mas ganhou destaque no futebol nacional vestindo a camisa 11 do Santos Futebol Clube, onde chegou em 1977 e recebeu o apelido de “Papinha da Vila”, em alusão ao Papa João Paulo II.

                    Com seus dribles insinuantes e objetivos, o ex-ponta esquerda integrou a primeira geração dos “Meninos da Vila”, dirigidos por Chico Formiga, e teve como companheiros no título paulista de 1978, Nilton Batata, Juary, Rubens Feijão, Pita e Aírton Lira. A sintonia com Juary, no entanto, vinha de longa data, já que ambos atuavam juntos pelo Pavonense, time amador do Rio de Janeiro.

                    Após sete anos entortando zagueiros com a 11 santista às costas, João Paulo, que foi duas vezes convocado para a seleção brasileira principal (em 1978 por Cláudio Coutinho e em 1983 por Carlos Alberto Parreira), chegou a ser considerado um dos três melhores ponteiros-esquerdos do país, ao lado de Zé Sérgio e Éder. Pela Seleção foram cinco partidas (três vitórias e dois empates) e nenhum gol.

                    Em 1984, foi negociado com o Flamengo, mas ficou na Gávea por apenas seis meses (campeão da Taça Guanabara). Pelo Flamengo, João Paulo disputou 40 jogos (24 vitórias, 10 empates e 6 derrotas) e marcou quatro gols. Depois retornou ao futebol paulista para defender outro alvinegro: o Corinthians.

                    Com a camisa do Timão, quis o destino que o Papinha viesse a decidir o título estadual da temporada justamente contra o Santos. E foi Zé Sérgio, substituto de João Paulo na Vila Belmiro, quem iniciou a jogada que culminou no gol de Serginho Chulapa, o gol do título santista de 1984.

                    Se não teve sorte contra sua ex-equipe, João Paulo pôde, em 1988, enfim comemorar um título com a camisa corintiana, pois estava no banco de reservas na final diante do Guarani, vencida pelo Timão por 1×0 na prorrogação, com um gol “espírita” de Viola. Com a camisa alvinegra foram 258 jogos (106 vitórias, 89 empates e 64 derrotas) e marcou 36 gols.

                    João Paulo deixou o Corinthians no final de 1989 para defender o arqui-rival Palmeiras, sem o mesmo brilho de outrora. Pelo Verdão disputou 19 partidas (11 vitórias, três empates e cinco derrotas) e marcou apenas um gol.  Após passar pelo Verdão, João Paulo jogou ainda no Yamaha, do Japão (90 e 91), no São José (92), no Grêmio Maringá (92), no Santos (92) e no Náutico (93). O ex-ponta tentou a sorte como técnico e chegou a comandar os juvenis do Santos, mas não seguiu carreira.

                   Desfilou seu talento no time de Masters do Corinthians, ao lado de Gilberto Costa, Biro-Biro, Ataliba, Wladimir e tantos outros craques que encantaram a Fiel Torcida na década de 80, a década da Democracia Corintiana. João Paulo também fez parte da “Cooperativa mais esporte”, ligada à prefeitura, e que tinha como objetivo dar aulas de futebol e prestar assistência a jovens e crianças carentes da periferia de São Paulo.

                   Em 5 de setembro de 2016 deu entrada na Santa Casa de Misericórdia de Santos após sofrer um infarto. Passou por um cateterismo dois dias depois e recebeu alta no dia 8. Hoje ele está ótimo e leva uma vida muito feliz.

Em pé: Washington, Flávio, Fernando, Gilberto Costa, Cassiá e Nelsinho Baptista   –    Agachados: Claudinho, Rubens Feijão, Juary, Pita e João Paulo
1977   –   Em pé: Nelsinho, Gilberto Sorriso, Neto, Alfredo Mostarda, Bianqui e Ernani   –    Agachados: Juary, Carlos Roberto, Reinaldo, Evilásio e João Paulo
1983   –  Em pé: Gilberto Sorriso, Davi, Marolla, Dema, Toninho Carlos e Toninho Oliveira   –   Agachados: Lino, Paulo Isidoro, Serginho Chulapa, Pita e João Paulo
1986 – Em pé: Cacau, Casagrande, Carlos, Lima, Wilson Mano e João Paulo   –    Agachados: Édson, Biro-Biro, Aílton, Paulo e Edivaldo
Em pé: Casagrande, Dida, Edmar, Biro-Biro, João Paulo e Carlos    –    Agachados: Edvaldo, Jacenir, Edson, Wilson Mano e Luis Pereira
Torneio de Toulon, na França, em 1980   –    Em pé: Luis Cláudio, Édson, Dudu, Marolla, Mozer e João Luis   –    Agachados: Robertinho, Cristóvão, Baltazar, Mário e João Paulo

Em pé: Gilberto Sorriso, Vitor, Joãozinho, Neto, Clodoaldo e Nelsinho Batista    –   Agachados: Nilton Batata, Ailton Lira, Juary, Pita e João Paulo
Postado em J

Deixe uma resposta