FLÁVIO ARAUJO: o locutor que andava em cima da bola

                   Flávio Araujo nasceu dia 29 de julho de 1934, na cidade de Presidente Prudente – SP. Foi um dos maiores narradores esportivos do rádio brasileiro. Trabalhou na Rádio Bandeirantes durante quase 25 anos, nos tempos do Scratch do Rádio, quando a emissora do Morumbi tinha uma equipe simplesmente sensacional. Só para lembrar alguns nomes daquela equipe; Fiori Giglioti, Mauro Pinheiro, Roberto Silva, Luiz Augusto Maltoni, Alexandre Santos, Enio Rodrigues, Borghi Junior, Barbosa Filho, Estevam Sangirardi, José Paulo de Andrade, Fernando Solera, Loureiro Junior, J. Háwila, Chico de Assis, Tony Lourenço, Darcy Reis, João Zanforlin e Flávio Araujo. Quem teve a felicidade de ouvir estes monstros sagrados do rádio brasileiro, sabe muito bem o que é ouvir uma partida de futebol pelo rádio, onde a emoção, a boa informação e o respeito para com o ouvinte, era o principal objetivo. Foi uma época de ouro da Rádio Bandeirantes, onde a audiência era quase que 100%. Era a famosa  “Cadeia Verde Amarela”. Bons tempos aqueles em que o torcedor não desgrudava de seu radinho, principalmente durante as jornadas esportivas. 

                  Flávio Araujo iniciou a carreira no rádio em sua cidade natal em 1950. Em 1954, com 20 anos, fundou e dirigiu por um ano a Rádio Clube de Dourados, no hoje Mato Grosso do Sul. Depois de alguns anos narrando o futebol prudentino, se transferiu para a Rádio Bandeirantes de São Paulo, na qual ficou de 1957 a 1982 e fez parte da equipe que é considerada uma das melhores da história do rádio brasileiro, pois contava com excelentes profissionais. Naquela época de Bandeirantes, Araújo narrava diversos esportes e foi testemunha ocular de diversos feitos obtidos por atletas do País, como a conquista do tricampeonato mundial de futebol, no México, e a luta de boxe em que Eder Jofre teria vencido no Japão, mas não levou o título, o que foi considerado um “roubo” pelos brasileiros. Essa transmissão teve a maior audiência do rádio no Brasil em todos os tempos.

ACONTECIMENTOS MEMORÁVEIS

                 Narrou acontecimentos memoráveis de automobilismo e basquetebol. É sua a narração do milésimo gol do Rei no filme “Pelé Eterno”. Transmitiu a conquista da nossa seleção no México em 1970, quando conquistamos o tricampeonato mundial. Fez transmissões históricas, como a do título mundial de boxe que o brasileiro Éder Jofre levantou em 1965 no Japão, aliás, Flávio transmitiu quase todas as lutas de Éder Jofre, tanto aqui no Brasil, como as que ele disputou no exterior.

                No filme sobre a vida de “Éder Quebrando a Cara”, feito por Ugo Giorgetti é o narrador de quase todos os combates. Em 9 de maio de 1965 diretamente de Nagoia (Japão), narrou o combate entre Éder Jofre e o japones Harada e essa transmissão teve o recorde de audiência individual em todo o país, pois a Rádio Bandeirantes, para qual transmitia, teve seu sinal retransmitido pela Jovem Pan, o que levou cerca de 320 emissoras compartilharem a sua transmissão em todo o Brasil. Flávio Araujo narrou sozinho, sem comentarista e sem nenhum auxiliar.

               Transmitiu de Monza em 1972 a vitória de Emerson Fittipaldi, que coroou a conquista do primeiro mundial de Fórmula 1 vencido por um piloto brasileiro, e em 1980 narrou de Long Beach, na California, o GP dos EUA que marcou a primeira vitória de Nelson Piquet na Formula 1. Narrou as Copas do Mundo da FIFA dos anos de 1966, 1970, 1974, 1978 e 1982.  Todos os Campeonatos Brasileiros desde 1971 (quando o atual sistema começou) até o final da carreira, 1986. A Copa Libertadores da América desde 1960. Transmitiu em 19 de novembro de 1969 pela Rádio Bandeirantes o milésimo gol de Pelé, no Maracanã, gravação incluída no filme “Pelé Eterno“.

UMA CARREIRA VITORIOSA

                Flávio militou no rádio esportivo e na imprensa esportiva de São Paulo durante 30 anos. Foi locutor da Rádio Bandeirantes de 1957 a 1982 e encerrou suas atividades em São Paulo na Fundação Cásper Líbero como superintendente de esportes da Rádio e TV Gazeta, nos tempos do saudoso Constantino Cury no comando do tradicional grupo de comunicação da avenida Paulista. Militou por 10 anos na Rádio Central, de Campinas, como comentarista e transmitiu, ao longo de sua brilhante carreira, tudo sobre futebol, boxe, basquete e automobilismo. Em suas transmissões de futebol, era chamado de “o locutor que anda em cima da bola”, pela sua precisão dos lances que ocorriam durante a partida. Quem o ouvia pelo rádio, sabia muito bem aonde a bola estava e com quem estava naquele momento, pois Flávio fazia questão de narrar em cima da jogada.

                 Foi co-proprietário da Rádio Cultura-AM de Poços de Caldas-MG, hoje de propriedade de seu irmão Chico de Assis. Flávio trabalhou também na Rádio Gazeta-AM, de São Paulo, e na Rádio Educadora e Rádio Central de Campinas-SP, a última de propriedade do ex-governador de São Paulo Orestes Quércia. Também em São Paulo foi superintendente de Esportes da Rádio e da TV Gazeta. Como narrador esportivo militou depois até 1986 na Rádio Gazeta de São Paulo cumprindo uma jornada de trinta anos de atividade. Como comentarista, militou até 2002 na Rádio Central de Campinas. Encerrou sua carreira como superintendente de esportes da Rádio e TV Gazeta. Hoje Araújo escreve colunas esportivas para sites e jornais.

                Muitas de suas histórias da sua carreira profissional, fatos marcantes e acontecimentos pitorescos foram contadas no livro “O Rádio, O Futebol e a Vida”, Editora Senac, como em 1976, quando perdeu uma conexão na viagem em Barcelona e narrou do Hotel Barajas a luta em que Miguel de Oliveira ganhou o título mundial dos médios diante o espanhol José Luiz Duran, como se estivesse em Mônaco, local do combate e sem que ninguém no Brasil percebesse. Atualmente escreve uma coluna semanal publicada aos domingos no jornal “O Imparcial” de Presidente Prudente e é colunista do site Ribeirão Preto Online. Também mantém a coluna “Em Cima da Hora” aos domingo, no caderno “Vencer” do jornal “Agora São Paulo”, além de ser comentarista na Rádio Cultura de Poços de Caldas.

HOMENAGEM

                Em 2010 formandos da Faculdade do curso de Jornalismo da Faculdade de Comunicação Social de Presidente Prudente (Facopp – Unoeste) resgataram sua história, apresentando sua trajetória profissional no Trabalho de Conclusão do Curso. Foi um trabalho realizado como conclusão do curso, cujo título era “Flávio Araujo: uma lenda do rádio esportivo brasileiro”. E assim dessa maneira, começou a ser resgatada uma das mais notáveis trajetórias do rádio esportivo brasileiro, inserida no contexto mundial. É a história do narrador prudentino Flávio Araújo que integrou a mais famosa equipe de esportes do rádio no Brasil.   

                Em 23 de dezembro de 2010 seu nome foi perpetuado, quando da inauguração, em sua terra natal, Presidente Prudente, do Centro de Formação de Atletas Flavio Araujo, uma obra que é referência na área esportiva, e que conta com estrutura de atendimento médico e preparação física, quadra coberta e campo de futebol e foi o Centro de Treinamento do Grêmio Barueri no período em que o time transferiu-se para cidade. O radialista e ex-narrador prudentino Flávio Araújo, voltou a Presidente Prudente para acompanhar a partida entre Palmeiras e Corinthians, no domingo, 8 de março de 2009, às 16h, no Prudentão, quando Ronaldo Fenômeno marcou seu primeiro gol pelo Corinthians. Ele aceitou o convite feito pelo prefeito da cidade, Milton Carlos de Mello, e antes da partida Flávio recebeu uma justa homenagem do povo de Presidente Prudente, pelos magníficos trabalhos realizados ao longo de sua brilhante carreira, sempre levando o nome da cidade com muita honra por todos os cantos do Brasil.

TRAGÉDIA

                Ele teve quatro filhos, um deles morreu no trágico acidente da TAM no Jabaquara em São Paulo em 31 de outubro de 1996, quando o avião decolou às 8h26min com destino ao Rio de Janeiro. A bordo noventa passageiros e seis tripulantes. Entre a saída do aeroporto até a queda passaram-se somente 24 segundos. O Fokker 100 colidiu primeiramente com um prédio de dois andares. Em seguida, a aeronave colidiu com um prédio de três andares, arrancou o telhado de um sobrado (matando o pedreiro Tadao Funada) e mergulhou no asfalto. Na queda, a aeronave destruiu 8 casas na Rua Luís Orsini de Castro, matando duas pessoas: o professor universitário Marcos Antônio Oliveira e seu cunhado, Dirceu Barbosa Geraldo. O fato de a região ser habitada predominantemente por trabalhadores do comércio e da indústria e o acidente ter ocorrido depois das 8h da manhã fez com que o número de vítimas em solo fosse baixo, já que a maioria das casas estavam vazias. O piloto era José Antonio Moreno, que tinha mais de nove mil horas de voo, das quais três mil em Fokker 100. O avião procedia do aeroporto de Caxias do Sul – RS.  

                Flávio Araujo foi um brilhante narrador, inteligente, culto, fiel aos acontecimentos e muito vibrante. Além do ser humano especial que sempre foi. Realmente um nome consagrado do rádio. Maravilhoso narrador esportivo da Rádio Bandeirantes-AM, durante quase 25 anos nos tempos do “Scratch do Rádio” (era o locutor que andava em cima da bola). Atualmente Flávio Araujo reside na cidade de Águas Santa Bárbara – SP. e tem nove netos.

Loureiro Junior, Mauro Pinheiro e Flávio Araujo
Flávio Araujo aos 83 anos de idade
Postado em F

Deixe uma resposta