PAULO BAIER: ídolo no Goiás e Atlético Paranaense

                 Paulo César Baier nasceu dia 25 de outubro de 1974, na cidade de Ijuí (RS). Iniciou sua carreira nas categorias de base do Esporte Clube São Luiz de IjuíRio Grande do Sul, sendo chamado de Paulo César. Uma vez que residia no interior do município, mais especificamente na Linha 11, precisava pegar carona diariamente para comparecer aos treinos. Manteve esta rotina por aproximadamente quatro anos, quando então passou a residir nas precárias acomodações do referido clube.

                Ainda jogando como lateral-direito, depois de passar por alguns clubes de expressão do futebol brasileiro sem obter grande destaque, já pensava em largar o futebol quando foi jogar a Copa Sul-Minas de 2002, pelo Pelotas. No Rio Grande do Sul, Paulo César, como ainda era chamado, apresentou um grande desempenho e ganhou nova projeção para o mercado nacional. Após sua passagem pelo Pelotas, foi para o Criciúma, onde começou a ganhar projeção nacional, e mudou de nome.

CRICIÚMA

  Quando ele chegou ao Criciúma (aos 28 anos) já tinha um Paulo César lá. Começaram a chama-lo de Paulo César Baier, que é o seu nome completo. Mas ficou muito longo. Surgiu o Paulo Baier. Ele gostou, pareceu mais forte. Já no Palmeiras (em 2006, aos 32 anos) fizeram um estudo, teve numerologia. E o resultado foi que o nome era melhor para ele. Então ele disse: “tá ótimo”. E Paulo Baier só tem um.

                Paulo César ganhava R$ 300,00 por mês no São Luiz. Chegou ao Criciúma em 1997 recebendo R$ 2,5 mil. Era uma fortuna para quem havia enfrentado tantas dificuldades. Ele imediatamente começou a guardar o dinheiro. Tinha dois planos: comprar um carro e reformar a casa dos pais. A escolha do automóvel não poderia ser mais simbólica: um Monza, como ele apelidara o Fusca azul do avô, seu transporte para tantos treinos no passado.

               Em 1998, ele ganhou seu primeiro título: campeão catarinense. Foi decisivo nas finais. No primeiro dos três duelos com o Tubarão, o empate por 1 a 1 fora de casa, fez o cruzamento para o gol do Criciúma, marcado por Lucianinho.

OUTROS CLUBES

               O lateral não durou muito no Criciúma. Ainda em 1998, viu o horizonte se expandir. Recebeu uma proposta do Atlético-MG. Era a grande chance da carreira, o momento de construir uma trajetória nacional, de chamar a atenção no país, de firmar o nome. Ou de começar a perambular de galho em galho, sem destaque. Durou seis meses no Galo. Passou também por Botafogo, Vasco e América-MG, quase despercebido, sempre com contratos muito curtos. Jogou ainda pelo Pelotas, fez testes no Venezia, da Itália, e no Newcastle, da Inglaterra. E nada de a carreira engrenar.

RETORNO AO CRICIÚMA

              Retornou ao Criciúma e em 2002, ele conduziu o clube ao título da Série B. Na final, teve a maior atuação de sua carreira. Sob forte chuva, fez três gols na goleada de 4 a 1 sobre o Fortaleza e mergulhou no imaginário do torcedor local como um ídolo para a posteridade

             Após duas grandes temporadas pelo Criciúma, sagrando-se campeão da Série B de 2002, ele foi para o Goiás, onde atingiu sua melhor fase e ficou conhecido nacionalmente como Paulo Baier. Seu sucesso lhe valeu um bom contrato com o Palmeiras.

PALMEIRAS E OUTROS CLUBES

             No Palmeiras, mesmo com o mau ano do clube em 2006, Baier conseguiu ser um dos destaques no pós-Copa, quando o time conseguiu uma recuperação no Campeonato Brasileiro. Acabou o ano como vice-artilheiro do clube na competição, e em 2007, com um bom começo de temporada, vinha aparecendo como um dos líderes do time.

            Reclamando por parte dos salários estar atrasado, Baier se desligou do clube e acertou sua volta ao Goiás. Passou dois anos no seu antigo clube e, na última temporada, foi um dos mais importantes jogadores do elenco, tendo completado 200 jogos com a camisa do esmeraldino em jogo contra o Náutico, no Recife. Deixou sua marca no clube quando marcou seu milésimo gol em Campeonatos Brasileiro Serie A, em jogo contra o Atlético-MG no dia 08 de Agosto de 2008 no Estádio Serra Dourada.

            Na temporada de 2009, foi contratado para jogar a Copa Libertadores pelo Sport. Porém, após ver o time pernambucano ser desclassificado para o Palmeiras nas oitavas-de-final, Baier deixou o clube.

ATLÉTICO PARANAENSE

             Em 4 de junho do mesmo ano, o jogador foi anunciado como novo reforço do Atlético Paranaense. No dia 8 de novembro de 2010, Baier tornou-se o maior artilheiro do Campeonato Brasileiro na era dos pontos corridos com 106 gols, fato que persistiu até a data de 31 de maio de 2015, quando foi ultrapassado pelo atacante Fred que na época jogava no Fluminense.

             No dia 13 de novembro de 2013 fez seu 100º gol na era dos pontos corridos contra seu ex-clube Criciúma, vestindo a camisa do Furacão.

COMEÇOU O FINAL DA CARREIRA

             Em dezembro de 2013, foi anunciado que Paulo Baier não renovaria com o Atlético Paranaense, contudo, o Criciúma acertou o retorno do meio-campista no dia 30 de dezembro para a temporada de 2014, sendo a terceira passagem de Paulo Baier pelo clube catarinense. e seu primeiro gol na volta ao time catarinense, foi contra o Figueirense, na vitória por 1 a 0. Outra partida de destaque foi contra o Fluminense, que jogando no estádio Heriberto Hülse, Paulo Baier marcou dois gols na vitória por 3 a 2.

             Em 2015, acertou com o Ypiranga, do Rio Grande do Sul, estreando no dia 11 de fevereiro de 2015, em jogo no estádio Colosso da Lagoa, contra o Aimoré, marcando o segundo gol da partida, vencida pelo Ypiranga por 3 a 0. Encerrou sua passagem no Ypiranga com o 3º lugar da primeira fase do Campeonato Gaúcho, marcando 6 gols, sendo assim vice-artilheiro do Gauchão ao lado de outros 3 jogadores, parando nas quartas de finais diante do Juventude de Caxias do Sul.

              Depois de defender o Ypiranga no Campeonato Gaúcho, Paulo Baier seguiu no Rio Grande do Sul, acertando com o Juventude, seu 14º clube. O anúncio oficial ocorreu no dia 29 de abril, após os últimos detalhes da contratação serem fechados. Sua primeira partida pelo novo time aconteceu em 16 de maio, em partida válida pela 1ª rodada da Série C, contra o Brasil de Pelotas, a qual o Juventude empatou em 1 a 1 e Paulo Baier participou do gol de empate do seu clube.

              Ao final da partida do dia 5 de junho de 2016, pela segunda divisão do Campeonato Gaúcho e jogando no São Luiz de Ijuí, Paulo Baier anunciou sua aposentadoria como profissional.

TREINADOR

             No início de 2017 quase iniciou sua carreira de treinador pelo Panambi, mas no dia seguinte desistiu de assumir a equipe. Em junho de 2017 foi anunciado como treinador do Toledo Esporte Clube e foi ajudar na preparação para a disputa da Taça FPF de 2017 no segundo semestre e em dezembro assume a equipe profissional para a disputa do Paranaense 2018.

Artilheiro do Campeonato Brasileiro série A

             Paulo Baier foi o maior artilheiro da era dos pontos corridos do Campeonato Brasileiro com 106 gols marcados, chegando a marca do centésimo gol numa derrota contra o seu ex-clube Criciúma por 2 a 1. Esta marca foi ultrapassada pelo atacante Fred, no domingo, dia 31 de maio de 2015, no clássico FLA-FLU, quando o artilheiro marcou dois gols, estabelecendo um novo recorde

TÍTULOS

São Luiz

Copa Galego: 1997

Criciúma

Campeonato Catarinense1998

Campeonato Brasileiro Série B2002

Taça Dr.Adilson Alexandre Simas: 2003

Vasco

Torneio Rio-São Paulo1999

América-MG

Copa Sul-Minas: 2000

Campeonato Mineiro: 2001

Sport

Campeonato Pernambucano2009

Atlético Paranaense

Marbella Cup2013

ARTILHEIRO

Artilheiro do Campeonato Goiano de 2005 (12 gols);

Maior artilheiro nos Campeonatos Brasileiros de pontos corridos entre novembro de 2010 e maio de 2015;

Vice-artilheiro do Campeonato Gaúcho de 2015 (6 gols).

Em pé: Daniel, Paulo Baier, Correia, Gamarra e Sérgio    –   Agachados: Edmundo, Juninho Paulista, Marcinho, Magrão, Enilton e Washington
Paulo Baier e alguns clubes em que ele jogou

 

Postado em P

Deixe uma resposta