CHICÃO: goleiro do Palmeiras no final dos anos 60

                         Francisco Assis Guimarães Treff, o popular Chicão, nasceu dia 14 de novembro de 1942, na cidade de Raposo (MG). Começou sua carreira no São Bento de Sorocaba. Naquela época vários jogadores que defendiam o clube, acabaram fazendo muito sucesso nos grandes clubes da capital, por exemplo; Copeu, Luiz Pereira, Marinho Peres, Paraná e tantos outros.

                        Nos registros encontrados vimos que Chicão iniciou sua trajetória jogando no DERAC, uma agremiação da cidade de Itapetininga (SP). Em meados de 1962, Chicão chegou ao Esporte Clube São Bento, da cidade de Sorocaba. Arrojado e com boa colocação, em pouco tempo o mineiro já era o dono da camisa titular.

                        Naqueles tempos, os times considerados grandes, temiam enfrentar o São Bento em seus domínios. E o goleiro Chicão colaborava demais para que fosse muito difícil sair de Sorocaba com um resultado positivo. Até que em 1968, o Palmeiras começou a namora-lo.

PALMEIRAS  

     A diretoria do alviverde entrou em entendimento com o São Bento pelo passe do goleiro Chicão. Na época, o Verdão contava com os goleiros Juan Miguel Pérez, Neuri e o sempre inquestionável Valdir Joaquim de Moraes, que já sinalizava sua aposentadoria.

                         Com o passar do tempo, o iminente encerramento da carreira de Valdir prometia uma disputa acirrada pela camisa titular. Tanto Chicão, como Neuri, Pérez e pouco depois o novato Emerson Leão, apresentavam totais condições para assumir o lugar do lendário goleiro Valdir, que ainda foi o titular durante os compromissos da Taça Libertadores da América de 1968. Em seguida, Chicão foi o escolhido para assumir a camisa número 1 do Palmeiras.

                           Em 1969 Chicão conquistou o Torneio Roberto Gomes Pedrosa, além do Torneio Internacional Ramón de Carranza, disputado na Espanha. Segundo Chicão, naquele torneio, o saudoso lateral esquerdo Dé, o ponta esquerda Serginho, o atacante Cardoso e o ponta direita Copeu, jogaram muito.

                          Algumas fontes descrevem que Chicão logo perdeu o lugar depois da chegada de Emerson Leão, que jogava no Comercial de Ribeirão Preto. No entanto, conforme depoimento do próprio Leão, o fato não aconteceu tão imediatamente.

                           Chicão só veio a perder a posição de titular, depois de uma derrota para o Flamengo por 2×1 no Maracanã em 1969, ano que Chicão deixou o Palmeiras. Nessa época o técnico do Palmeiras era Ernesto Filpo Nuñez. Ao todo foram 55 partidas disputadas, com 32 vitórias, 11 empates e 12 derrotas. Ao todo sofreu 48 gols.

OUTROS CLUBES

                            Seus direitos foram negociados com o Clube Náutico Capibaribe (PE), equipe onde permaneceu até 1971. Em seguida voltou novamente ao São Bento de Sorocaba, para no ano seguinte encerrar a carreira no União Futebol Clube de Mogi das Cruzes.

                             Atualmente Chicão está aposentado e reside no bairro do Tatuapé. Tem dois filhos e trabalha como vendedor autônomo de ferro e aço. Também é presença garantida nas rodinhas de amigos do Clube Esportivo. Penha. Reside na rua Emílio Mallet, no Tatuapé, em São Paulo.

1969   –   Em pé: Eurico, Minuca, Zé Carlos, Baldochi, Dé e Chicão    –    Agachados: massagista Osmar, Copeu, Jaime, Cardoso, Ademir da Guia e Serginho
Em pé: Luiz Massa, Pascoal Byron Giuliano (ex-presidente do Verdão), Mário Travaglini, José Gimenez Lopes, Santo Baldacin (preparador físico), Rubens Minelli, Leão, Luís Pereira, Zé Carlos, Eurico, Nélson, Neves, Neuri, Dudu, Zeca, Baldocchi, Chicão, Dé, Minuca, Copeu, Madureira, o roupeiro Romeu, o massagista Arlindo, Oscar Paolilo e um repórter    –    Agachados: Ademir da Guia, Pio, Jaime, Serginho, Cabralzinho, Cardoso, Edu Bala, César Maluco, Vagner e o diretor Nicola Raccioppi

Em pé: Chicão, Scalera, Baldochi, Dudu, Nelson e Ferrari   –    Agachados: Copeu, Servilio, Artime, Ademir da Guia e Serginho
Em pé: Nestor, Chicão, Gibe, Salvador, Nei e João Carlos   –    Agachados: Raimundinho, Copeu, Oswaldo, Gonçalves e Paraná
Em pé: Chicão, Eurico, Baldocchi, Nelson, Dudu e Ferrari    –   Agachados: César, Tupãzinho, Artime, Ademir da Guia e Serginho
Pelé para diante de Chicão
Postado em C

Deixe uma resposta