CLUBE ATLÉTICO E RECREATIVO MARIA ZÉLIA

                             Mas quem foi Maria Zélia? Ela nasceu em março de 1899 e faleceu em 12 de setembro de 1915. Seu pai Jorge Street foi um médico e industrial que começou a construir uma Vila para que seus 2.500 funcionários pudessem morar mais próximos das instalações de sua indústria que estava localizada na Rua dos Prazeres, no bairro do Belenzinho e nesse meio tempo, sua filha veio a falecer. Para homenagear a filha, ele colocou o nome dela naquela vila que estava nascendo e assim passou a chamar-se Vila Maria Zélia, que foi inaugurada em 1917. Surgiu assim uma das primeiras Vilas Operárias do Brasil, onde seus moradores, que trabalhavam nas fábricas, formaram uma verdadeira família, considerando Jorge Street uma espécie de pai. Esta Vila serviu inclusive de cenário para o filme “O Corintiano” de Amácio Mazzaropi.

                            Durante os anos seguintes a Vila funcionou a pleno vapor. Até que no dia 20 de dezembro de 1935 foi fundado o seu time, que obviamente seria conhecido como Maria Zélia, usando camisa branca e calção preto. Com o passar do tempo, foi formando um grande esquadrão, com extraordinários jogadores, que mais tarde vieram a brilhar nos grandes clubes do futebol brasileiro.  Todo domingo, os dados estatísticos de cada partida eram registrados detalhadamente e guardados com carinho na acanhada sede do time.

                            Em um daqueles finais de semana, o treinador Dante Pietrobom preparava seus pupilos, com idades entre 11 e 14 anos, para enfrentar o poderoso quadro do Sport Club Corinthians Paulista, na própria Fazendinha. Na primeira partida contra o Corinthians, os garotos do Maria Zélia derrotaram os imponentes e engomadinhos do Parque São Jorge pela contagem de 4×0. Humilhados em sua própria casa, os alvinegros marcaram uma revanche imediata. No domingo seguinte, chegaram os juros e correção monetária, com nova vitória do Mariz Zélia agora por 5×0.

                           Com duas derrotas desmoralizantes no balaio, não restou outra alternativa que não fosse trazer praticamente todo o time do Maria Zélia para o Corinthians. Quando chegaram ao clube, o Corinthians já estava algum tempo sem conquistar um título paulista, já que o último tinha acontecido no distante ano de 1941. Dante Pietrobom seguia lapidando sua turminha, que além de Roberto Belangero, contava com verdadeiros talentos como Luizinho “O Pequeno Polegar”, o goleiro Cabeção, Nardo e o ponta esquerda Colombo.

                            Os meninos cresceram e do time de Aspirantes logo chegaram ao elenco principal, após uma grande reformulação bancada pelo presidente Alfredo Ignácio Trindade. Além do goleiro Cabeção, suplente imediato de Bino, alguns garotos do Maria Zélia foram aproveitados no elenco em 1950, na conquista do Torneio Rio-São Paulo.

                           Para quem não sabe, o Clube Atlético e Recreativo Maria Zélia, foi um dos mais importantes times de futebol da várzea paulistana. Quem também surgiu do Maria Zélia além dos jogadores já citados, foi o elegante meia-esquerda Rafael, que jogaria no time principal corintiano a partir de 1953. No ano seguinte, Rafael, Cabeção, Roberto Belangero e Luizinho foram campeões pelo Corinthians, um titulo que todos os clubes paulistas cobiçavam, pois naquele ano a cidade de São Paulo estava completando 400 anos de fundação, e por isso, aquele título passou a ser chamado de Título do IV Centenário.

                          O Maria Zélia foi o primeiro clube amador da cidade de São Paulo a ter um campo com refletores para jogos noturnos. Tinha até arquibancada para mulheres. Hoje, o campo virou um hospital público. O time chegou a incrível marca dos 289 jogos sem perder. A invencibilidade começou em 1962 e só foi acabar em 1967. Se não está, deveria estar no Livro dos Recordes.

                          Com tantos jogadores importantes que saíram do Maria Zélia e foram jogar no Corinthians, fica a grande pergunta, o Corinthians fez a Várzea grande ou a Várzea fez o Corinthians grande? Posso afirmar com certeza que um dependeu do outro para se tornar o que é ou foi. Fundado no dia 1 de setembro de 1910, o Sport Club Corinthians Paulista surgiu para ser um time varzeano. Em um espaço de 2 anos, com os resultados obtidos na Várzea Paulistana, percebeu que poderia buscar objetivos maiores, se destacando no elitista Campeonato Paulista, mas sem perder a alma varzeana que lhe vinha do berço. Talvez seja por isso que o Corinthians é o time do povo, da classe operária, pessoas simples, que estão acostumadas com as dificuldades, prova disso foi aqueles 22 anos, 8 meses e 7 dias sem ganhar um titulo, mas que no entanto, sua torcida só aumentava dia após dia.

Deixe uma resposta