LUIZ PEREIRA: fez parte da segunda Academia Palmeirense

                   Luiz Edmundo Pereira nasceu dia 21 de junho de 1949, na cidade de Juazeiro (BA). Veio para São Paulo e fez parte da segunda Academia da Sociedade Esportiva Palmeiras na década de 70. Qual palmeirense que não se lembra daquela equipe; Leão, Eurico, Luiz Pereira, Alfredo e Zéca; Dudu e Ademir da Guia; Edu, Leivinha, César e Nei. Foi realmente uma época de ouro do alviverde de Parque Antártica.  Luiz Pereira também participou do Mundial de 1974, disputado na Alemanha, quando foi titular absoluto formando a zaga com Zé Maria, Marinho Perez e Marinho Chagas.

                  Na história do futebol brasileiro, poucos zagueiros podem ser classificados como craques. Luiz Pereira faz parte deste seleto grupo. Considerado um dos maiores defensores de todos os tempos, tinha um jeito de andar muito peculiar. Seus joelhos quase se chocavam enquanto caminhava com os pés virados para trás, mas jogando era capaz de correr de costas, ficando cara a cara com o atacante que vinha carregando a bola.

Firme na defesa ficou famoso também por sua habilidade e técnica. Essas qualidades, somadas à vontade de ajudar seu time, faziam com que o zagueiro central gostasse de atacar.  Essas arrancadas ao ataque, que contagiavam a torcida, faziam também com que técnicos e companheiros tremessem de medo.

INICIO DE CARREIRA

                   Como muitos outros jogadores, Luiz Pereira teve uma infância difícil. Chegou a trabalhar como torneiro mecânico e ensacador de farinha. Encorajado por amigos, resolveu fazer testes em vários clubes de futebol em 1966. Depois de muitas rejeições, foi aceito no São Bento de Sorocaba, equipe em que começou sua carreira profissional.  Não demorou para ser observado por um time grande. Em 1968, o promissor zagueiro de 18 anos foi vendido ao Palmeiras, clube em que faria história. Logo que chegou ao Palestra Itália, seus companheiros lhe deram o apelido de King Kong.  Passado algum tempo, recebeu outro apelido, Luiz Chevrolet, devido ao tempo em que defendeu o time infantil da General Motors de São Caetano do Sul.

PALMEIRAS

                  Sua estreia no Verdão aconteceu no dia 3 de novembro de 1968, quando o Palmeiras perdeu para o São Paulo por 3 a 2, num jogo amistoso realizado na cidade de São Carlos. Os gols do Tricolor foram marcados por; Antoninho, Miruca e Nene, enquanto que para o Verdão, os dois gols foram anotados por Júlio Amaral.  Só virou Luiz Pereira quando assumiu a posição de titular do Palmeiras. Isso aconteceu em 1970, quando Baldochi foi para a Copa do Mundo e perdeu a vaga para o jovem zagueiro.  Quando Luiz Pereira entrou no time alviverde de Parque Antártica, o time do Palmeiras tinha a seguinte formação; Neuri, Neves, Luiz Pereira, Minuca e Zéca; Dudu e Ademir da Guia; Edu, Jaime, César e Pio e o técnico era Rubens Minelli.  Em pouco tempo, virou ídolo da torcida alviverde.

                   Luiz Pereira foi um dos líderes em grandes conquistas do Palmeiras como o bicampeonato brasileiro de 1972 e 1973 e os paulistas de 1972 e 1974, ano que marcou a melhor fase de sua carreira. Aos 25 anos, foi o zagueiro central titular da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1974, na Alemanha. Apesar da seleção de Zagallo não ter ido muito bem, pois foi eliminada na semi final pela poderosa Holanda de Cruyff e acabamos ficando em 4º lugar na competição, o defensor palmeirense começou a ser almejado por clubes europeus.  Alguns meses depois da Copa, na decisão do Paulista contra o Corinthians, foi Luiz Pereira quem iniciou a jogada do único gol da partida. Ele roubou a bola de Rivelino, tocou na direita para Jair Gonçalves, que cruzou para o atacante Ronaldo marcar aos 24 minutos do segundo tempo.

                  Este jogo aconteceu no dia 22 de dezembro de 1974, um domingo nublado na capital paulista, onde dos mais de 120 mil presentes no Morumbi, pelo menos 100 mil eram corintianos. Não foi um jogo bonito, mas a categoria de Luiz Pereira prevaleceu sobre o ataque corintiano que mais juntamente com sua torcida, tiveram que esperar mais três anos para conquistarem um título estadual e saírem de um jejum que durava desde 1954.

SELEÇÃO BRASILEIRA

                  Mostrando um belo futebol, foi convocado pela primeira vez para defender o selecionado brasileiro em 1973, numa excursão à África e à Europa. Fez sua estréia com a camisa canarinha numa partida em que o Brasil venceu a Tunísia por 4 a 1. Este jogo aconteceu dia 6 de junho de 1973 e os gols brasileiros foram anotados por; Paulo César Cajú (2), Leivinha e Valdomiro. No ano seguinte foi convocado para disputar o mundial da Alemanha, onde o Brasil ficou em 4º lugar. Luiz Pereira foi o primeiro jogador brasileiro a receber o cartão vermelho em Copas do Mundo, foi no jogo em que perdemos para a Holanda por 2 a 0 e nos tirou da disputa do título. Pela seleção brasileira, disputou 38 partidas, sendo 33 oficiais e 5 amistosos. Com a camisa canarinho marcou apenas 1 gol.

ESPANHA

                  Em 1975, juntamente com o atacante Leivinha, Luiz Pereira foi vendido ao Atlético de Madrid, da Espanha. Lá voltou a mostrar muita raça e categoria e se transformou em ídolo, recebendo o apelido de El Mago. Uma torcida organizada com o nome de Peña Atlética foi criada em sua homenagem. Na Espanha, o brasileiro atuou como líbero durante seis temporadas, disputando 143 partidas e marcando 14 gols. Na temporada 1976/1977, os alvi-rubros de Madri levantaram a taça do campeonato espanhol.

DE VOLTA AO PALMEIRAS

                 Em 1981, Luiz Pereira estava de volta ao Brasil, mas desta feita para defender o Flamengo. Lá na Gávea ficou apenas seis meses, transferindo-se ao Palmeiras ainda naquele ano. Aos 31 anos, Luizão, como passou a ser conhecido na época, mostrava a mesma forma física de sua primeira passagem. Ele continuava pesando 80 kg. distribuídos em 1,81m de seis anos atrás. Porem, o time palmeirense não era mais a Academia da década de 70. Nos anos 80, o zagueiro foi quase que a estrela única do time. Não conseguiu títulos, mas evitou muitas derrotas. Nesta época o time do Palmeiras era o seguinte; Gilmar, Nenê, Luiz Pereira, Deda e Pedrinho; Vitor Hugo, Célio e Aragonês; Reginaldo, Enéas e Esquerdinha. O técnico era Jorge Vieira. 

                   Sua despedida do Palmeiras aconteceu no dia 2 de dezembro de 1984, quando o Palmeiras perdeu para o Santo André por 1 a 0, pelo Paulistão daquele ano. Durante os 11 anos que defendeu a camisa alviverde de Parque Antarctica, o craque disputou 568 partidas. Venceu 283, empatou 193 e perdeu 92 vezes.  Marcou 34 gols.  Estes dados nos mostram um recorde absoluto entre os zagueiros da história palestrina.

PORTUGUESA E CORINTHIANS

                   Em 1985, já com 36 anos, Luiz Pereira foi dispensado do Palmeiras. Muitos pensaram que era o fim de sua carreira, mas Luizão provaria que estavam errados. Ainda em 85, transferiu-se para a Portuguesa de Desportos. No clube, voltou a mostrar excelente futebol, sendo um dos líderes da equipe vice-campeã paulista, perdendo o título para o São Paulo, num jogo disputado dia 22 de dezembro de 1985 e que o Tricolor venceu por 2 a 1, com gols de Muller e Sidney. Em 1986, defendeu as cores do Santo André. 

                  No ano seguinte, aconteceu algo que poucos imaginavam possível, Luiz Pereira teve rápida passagem pelo Corinthians, o maior rival do clube em que fez história.  Sua estreia com a camisa corintiana aconteceu no dia 4 de setembro de 1986, quando o Corinthians venceu o Paysandu por 1 a 0 pelo campeonato brasileiro daquele ano, o gol foi de Cacau. Neste dia o Timão jogou com; Carlos, Edson, Luiz Pereira, Edivaldo e Jacenir; Wilson Mano, Márcio e Cristóvão; Cacau, Ricardo e Eduardo. O técnico era Jorge Vieira.  Sua última partida pelo Timão foi dia 14 de dezembro de 1986, num empate em 2 a 2 com o Vasco da Gama. Pelo Corinthians, Luiz Pereira, realizou 24 partidas. Venceu 10, empatou 10 e perdeu 4. Não marcou nenhum gol.

FINAL DE CARREIRA

                    O zagueiro ainda jogaria no Central de Cotia e no São Caetano antes de voltar ao São Bento de Sorocaba, seu primeiro time como profissional. Foi lá em 1992, com 41 anos, que um dos maiores zagueiros da história do futebol brasileiro encerrou sua carreira de 26 anos.  Mas Luiz Pereira não conseguiu ficar longe do futebol por muito tempo. Começou a trabalhar como técnico no próprio São Bento. Depois, treinou o Sãocarlense e foi auxiliar técnico no São Caetano.

                   Em 2002 voltou à Espanha, onde começou a trabalhar com as categorias inferiores do Atlético de Madrid, onde se encontra até os dias de hoje. Luiz Pereira, além de ser um zagueiro extremamente técnico e que dava grande segurança no sistema defensivo, também tinha muita raça e capacidade para chegar no ataque e marcar gols, como fez por inúmeras vezes. Sem dúvida, Luiz Pereira, sempre será lembrado pelos amantes do futebol, com suas pernas arqueadas, seu futebol explodiu de tal maneira que ele se celebrizou como um dos melhores da história do futebol brasileiro e mundial em sua posição.

 

Em pé: Eurico, Leão, Luiz Pereira, Alfredo, Dudu e Zeca      –     Agachados: Edu, Fedato, Leivinha, Ademir da Guia e Nei
Em pé: Eurico, Leão, Dudu, Luiz Pereira, Alfredo, Zeca      –     Agachados: Edu, Leivinha, César, Ademir da Guia e Nei
Em pé: Gilberto, Leão, Zé Maria, Luís Pereira, Alfredo e Clodoaldo     –     Agachados: Vaguinho, Leivinha, Enéas, Ademir da Guia e Rivelino
Em pé: Zé Maria, Marinho Chagas, Zé Carlos, Luiz Pereira, Piaza e Carbone      –     Agachados: Jairzinho, Carpegiani, Mirandinha, Ademir da Guia e Edu
Em pé: Nelinho, Leão, Marinho Chagas, Luiz Pereira, Piaza, Marinho Peres      –     Agachados: Jairzinho, Carpegiani, Leivinha, Rivelino e Edu
Postado em L

Deixe uma resposta